Força Alternativa Revolucionária do Comum, novo nome das FARC

Mais Lidos

  • Os horizontes cada vez menores do catolicismo e as expectativas não atendidas do Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • “É muito difícil para mim imaginar como vamos sobreviver até o final do século”. Entrevista com George Monbiot

    LER MAIS
  • Amazônia 2023: um “projeto” para Brasis possíveis. Artigo de Barbara Szaniecki

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

01 Setembro 2017

As FARC continuarão se chamando FARC. Mas sem armas. As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, uma das guerrilhas mais antigas do mundo, decidiram na quinta-feira entrar na política como Força Alternativa Revolucionária do Comum. A organização votou no congresso fundacional que se realiza em Bogotá a manutenção de sua sigla e se apresentar aos eleitores colombianos com o símbolo de uma rosa vermelha. Esse foi o anúncio feito no Twitter por Rodrigo Londoño, codinome Timochenko, o principal dirigente do grupo que esteve mais de meio século em guerra com o Estado. A votação não foi unânime: 628 delegados optaram por não perder a marca, enquanto 624 gostariam de uma mudança ao nome Nova Colômbia.

A reportagem é de Francesco Manetto, publicada por El País, 31-08-2017.

Foi Iván Márquez, número dois e rosto visível do grupo, que em 15 de agosto – no mesmo dia em que se completou a entrega de armas à missão das Nações Unidas – adiantou que o novo partido sairia do congresso como Força Alternativa Revolucionária da Colômbia. Em sua opinião, a maioria das bases não gostaria de enterrar o nome com que em 1964 nasceu o movimento insurgente. Apesar do C da sigla significar o conceito de comum, isso é, de comunhão e comunidade, o fundamental é que mantém a ideia de revolução.

Na inauguração do congresso, tanto Timochenko como Iván Márquez insistiram na manutenção do caminho revolucionário da nova força política, que após deixar a violência se propõe agora a conquistar seus projetos nas urnas. Esse último enfatizou também a importância do grupo de se transformar em uma alternativa no mapa de partidos da Colômbia. “Sobre esse propósito e sobre nossa trajetória histórica o que nós queremos é conceber o caráter de nosso partido; como um partido revolucionário”, afirmou Márquez.

O símbolo escolhido é uma rosa vermelha que lembra a rosa do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE). Na sexta-feira a organização finalizará seu congresso com uma apresentação pública da nova direção e das listas de candidatos às eleições legislativas que se realizarão em março de 2018. No próximo ano o país elegerá também um novo presidente, mas as FARC descartaram, pelo menos por enquanto, a participação nessas eleições. De qualquer forma, o acordo de paz feito com o Governo de Juan Manuel Santos garante a esse novo partido uma presença garantida de cinco representantes na Câmara e cinco no Senado. A antiga insurgência terminará oficialmente seu primeiro congresso com um comício e um show na Praça Bolívar de Bogotá, um lugar simbólico próximo aos estamentos do poder político onde em 2002 as FARC realizaram um atentado contra a posse do ex-presidente Álvaro Uribe.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Força Alternativa Revolucionária do Comum, novo nome das FARC - Instituto Humanitas Unisinos - IHU