Itália. Padre é insultado por levar refugiados à piscina pública

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • Fogo atinge floresta da TI Yanomami e Hutukara pede providências

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

23 Agosto 2017

Ele presenteou com um “mergulho” na piscina cerca de 15 refugiados africanos que tinham trabalhado como ajudantes de cozinheiros e garçons na festa da organização sem fins lucrativos Gli Amici di Francesco. E a foto postada no Facebook custou-lhe uma avalanche de ofensas.

A reportagem é de Massimo Vanni, publicada por La Repubblica, 22-08-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Mas o padre Massimo Biancalani, pároco de Vicofaro, periferia de Pistoia, cidade que acaba de ser capturada pela centro-direita, não se abalou nem mesmo quando, sobre aquela foto, abateu-se o sarcasmo do líder da Liga Norte, [Matteo] Salvini.

Eis a entrevista.

Padre Biancalani, diga a verdade: você não esperava todas aquelas ofensas.

É triste, mas eu espero que sirva para abrir os olhos sobre o clima que está crescendo. Disseram-me que muitos daqueles perfis são vazios, que poderia ter sido a mesma pessoa. Foi feita até uma denúncia à polícia postal. Mas o problema é ético-cultural: o fenômeno da imigração é complexo e não tem nada a ver com o terrorismo.

Mas, no ano passado, você queria que os migrantes muçulmanos rezassem na igreja. O bispo [Fausto] Tardelli interveio.

Isso fazia parte de um projeto de acolhida, porque não basta um prato de sopa, mas também é preciso uma relação entre as religiões. Sobre a acolhida, há muito silêncio por parte da Igreja e das instituições.

Silêncio da Igreja?

Deveríamos, todos, ser mais corajosos ao afirmar o valor da acolhida. Em Pistoia, de 140 paróquias, apenas quatro abriram as suas portas. Em Gênova, apenas cinco. Se apenas 20% das paróquias abrissem as suas portas...

E o silêncio das instituições?

Elas não fazem um trabalho sério. A imigração não pode ser enfrentada com uma lei como a Bossi-Fini.

E com o código de [Marco] Minniti?

É uma tampa que foi posta ali. Os migrantes não estão chegando, mas está se gerando uma situação humanitária dramática na Líbia. Os jovens falam de execuções sumárias para quem tenta escapar dos campos, talvez apenas para procurar comida. Nós, italianos, corremos o risco de nos tornarmos cúmplices.

O que o bispo disse sobre aquela foto com os refugiados na piscina?

Ele me disse que nesta terça-feira viria visitar a paróquia para se encontrar com os jovens.

O Fratelli d’Italia, partido do prefeito de Pistoia, acusa você de fazer política.

É grave que o meu ser padre seja posto em discussão. O que está em jogo é sempre a mesma coisa: quando há um religioso orientado ao social, sempre chamam-no de comunista.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Itália. Padre é insultado por levar refugiados à piscina pública - Instituto Humanitas Unisinos - IHU