Argentina. Ex-chefe do Exército é preso por crimes cometidos na ditadura

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A ruptura interna no tecido católico brasileiro. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS
  • “Não é uma guerra entre a Rússia e a Ucrânia, é uma guerra pela reorganização da ordem mundial”. Entrevista com Maurizio Lazzarato

    LER MAIS
  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: João Flores da Cunha | 21 Fevereiro 2017

César Milani, ex-chefe do Exército da Argentina, foi preso no dia 17-02 por delitos cometidos durante a última ditadura do país (1976-1983). Ele é acusado de sequestrar três pessoas entre 1976 e 1977. Milani exerceu a função no governo de Cristina Fernández de Kirchner.

A ex-presidenta, assim como seu marido, Néstor Kirchner, impulsionou uma política de direitos humanos que buscou conduzir à Justiça os responsáveis pela repressão de Estado nos anos 1970. Milani foi indicado ao cargo de chefe do Exército no final de 2013 e nele permaneceu por um ano e meio.

A nomeação provocou polêmica à época: foi a primeira vez em mais de 20 anos que um militar investigado por violações aos direitos humanos ascendeu na carreira. À época, a líder da organização Mães da Praça de Maio, Hebe de Bonafini, ligada ao kirchnerismo, comparou os críticos da indicação de Milani àqueles que acusaram o cardeal Jorge Bergoglio de ter sido cúmplice da ditadura, dizendo que em ambos os casos, os críticos estavam equivocados.

Milani foi preso preventivamente por conta do sequestro de Verónica Matta, em 1976, e os de Ramón e Pedro Olivera, em 1977. Os três sobreviveram, embora Pedro Olivera tenha ficado com sequelas por conta da tortura sofrida na prisão. Milani, que era subtenente do Exército na época, se negou a declarar perante o juiz sobre as acusações de sequestro.

Ele já era investigado por conta da desaparição, tortura e assassinato do soldado Alberto Ledo, em 1976. Ledo, um estudante de História que prestava o serviço militar obrigatório, era assistente de Milani. Até hoje, não há evidência sobre seu paradeiro.

Além dos crimes de lesa-humanidade, Milani também é acusado de enriquecimento ilícito. Em 2010, ele adquiriu uma casa por um valor que seria incompatível com sua renda.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Argentina. Ex-chefe do Exército é preso por crimes cometidos na ditadura - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV