Assassinada a última mulher que falava língua indígena da Amazônia

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Janeiro 2017

“Era uma das sábias mais relevantes da nossa história, sobretudo da nossa cultura”, disse o sobrinho de Rosa, Willy Rengifo.

Um mês antes da morte de Rosa, o diretor de Línguas Indígenas do Ministério da Cultura, Agustín Panizo, tinha começado um projeto para documentar a língua resígara, para o qual a ajuda da mulher seria preciosa.

A reportagem foi publicada por Dn.pt, 23-12-2016.

Rosa Andrade Ocagane era muito provavelmente a última mulher que sabia falar resígaro, um idioma falado em tempos pelos indígenas da Amazônia. Foi assassinada aos 67 anos no final de novembro na comunidade de Nueza Esperanza, na selva a norte do Perú, segundo o El País. A mulher era ainda uma das últimas 40 pessoas no mundo que sabem falar outro idioma indígena, o ocaina.

Segundo o antropólogo Alberto Chirif, Rosa e o irmão, Pablo, de 65 anos, eram os últimos que sabiam falar resígaro e ocaina, duas das 43 línguas da Amazônia, pois os seus pais eram destas duas tribos. “O pai deles era ocaina e a mãe resígara, ambos povos indígenas que estão em extinção e foram vítimas da crueldade” dos exploradores da Amazônia, explicou Chirif.

“Era uma das sábias mais relevantes da nossa história, sobretudo da nossa cultura”, disse o sobrinho de Rosa, Willy Rengifo.

Um mês antes da morte de Rosa, o diretor de Línguas Indígenas do Ministério da Cultura, Agustín Panizo, tinha começado um projeto para documentar a língua resígara, para o qual a ajuda da mulher seria preciosa.

“Os últimos registos desta língua são muito antigos, são dos anos 50. Em meados do século passado, o Summer Institute of Linguistics elaborou uma gramática e um dicionário nesta língua. Com o testemunho de Rosa e do irmão Pablo, essa informação e documentos iam ser revistos e até complementados”, disse Panizo. “Agora isso só pode será feito com Pablo”.

Segundo o censo de 2007 do Peru, 97 pessoas diziam saber ter aprendido a falar ocaina e 37 resígaro. “Mas não sabemos quantas ainda sabem falas a língua e quantas morreram”, explicou Panizo.

Natalia Verástegui, uma especialista do ministério da Educação contou que conhecer Rosa e que o povo e a língua resígara estão “em agonia”.

O assassinato de Rosa foi muito violento, pois a mulher foi encontrada “sem cabeça nem coração”, segundo Frida Vega, sobrinha da mulher.

A família diz ter sido um “assassinato por contrato” e aponta para um suspeito, conhecido por provocar discussões quando está bêbado, mas as autoridades dizem não ter provas e emitiram apenas para o indivíduo uma ordem de afastamento do local.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Assassinada a última mulher que falava língua indígena da Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU