Arturo Sosa: "Juntos na Igreja em saída, com um espírito apostólico alegre"

Mais Lidos

  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

31 Outubro 2016

"Obrigado por nos terem aberto novamente as suas portas e o seu coração com simpatia. Juntos, reencontramo-nos na Igreja em saída, como diz o Papa Francisco, e juntos vivemos um espírito apostólico alegre", disse o padre Arturo Sosa, o novo prepósito geral da Companhia de Jesus, que celebrou a liturgia nesse sábado em Santa Maria in Trastevere com a Comunidade de Santo Egídio, junto com uma centena de coirmãos, que foram a Roma de todo o mundo para os trabalhos da Congregação Geral.

A reportagem é do jornal La Stampa, 30-10-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

É uma longa história de amizade entre a Companhia de Jesus e a Comunidade de Santo Egídio. Uma história feita de "simpatia" e "muitas ocasiões de colaboração no mundo", como ressaltou Andrea Riccardi, dando as boas-vindas ao Pe. Sosa.

"Em 1975, quando estávamos dando os primeiros passos, o padre Arrupe veio nos encontrar. A essa primeira visita, seguiram-se as das Congregações Gerais que elegeram o Pe. Kolvenbach e, depois, o Pe. Nicolás", lembrou Andrea Riccardi, que indicou no "apostolado gratuito pela comunicação do Evangelho" e no "serviço à justiça" os frutos que a Igreja e o mundo esperam da Companhia de Jesus.

Comentando a passagem de Zaqueu do Evangelho de Lucas, o Pe. Sosa observou que "o apego ao dinheiro é uma escravidão não percebida e, muitas vezes, justificada, às vezes, de fato, é uma escravidão desejada". No entanto, Zaqueu, "um homem que havia enriquecido de modo desonesto", mostrou-se "aberto a outra possibilidade" e tentou de todos os modos ver Jesus, a ponto de subir em uma árvore, "um gesto excessivo que podia fazer com que ele parecesse ridículo".

"O encontro com Jesus – concluiu o Pe. Sosa – provocou em Zaqueu a conversão profunda, tornando-o disponível para se encontrar com os outros. Só o homem livre do apego ao dinheiro é capaz de experimentar a fraternidade com quem está afligido pela pobreza ou pela guerra. Quem experimenta a misericórdia de Jesus, como Zaqueu, torna-se, assim, mensageiro da boa notícia."

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Arturo Sosa: "Juntos na Igreja em saída, com um espírito apostólico alegre" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU