“Que os Jesuítas não cedam à tentação de domesticar as fronteiras”

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • Wim Wenders, Dias Perfeitos – 2023. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

20 Setembro 2016

A XXXVI Congregação Geral dos jesuítas, que começa no próximo dia 2 de outubro, “verificará, na relação sobre o estatuto da Companhia, se foi dada resposta adequada” ao discurso de Bento XVI à XXXV Congregação, que “abria uma nova época para a Companhia em suas relações com a Santa Sé”. Além disso, verificarão tudo o que o Papa Francisco disse e pediu aos jesuítas, de sua eleição até o momento, pois, embora seja verdade que todos os Papas tenham se dirigido aos jesuítas, também é verdade que se trata do primeiro papa jesuíta, na bimilenária história da Igreja, que se dirige aos irmãos “conhecendo por dentro nossa condição de jesuítas”: “Com certa frequência, ele se reconhece explicitamente jesuíta, expõe com simplicidade, quase em voz baixa, mas sem rodeios de palavras, os grandes e fortes traços de nossa espiritualidade e identidade”.

A reportagem é publicada por Vatican Insider, 19-09-2016. A tradução é do Cepat.

Nestes termos, a revista La Civiltà Cattolica explica a novidade da próxima Congregação Geral, convocada para escolher o sucessor do espanhol Adolfo Nicolás, que a guia desde 2008, e que está preparando os trabalhos da Congregação se concentrando no perfil que Francisco traçou para os jesuítas, nestes anos. A revista romana dos jesuítas, cujo texto é revisado pela Secretaria de Estado vaticana, publica um recente artigo do padre Elías Royon que oferece muito bom terreno para os trabalhos da Congregação Geral, além da entrevista com o padre geral Nicolás, realizada por Antonio Spadaro, diretor da revista.

Recordando alguns dos discursos do Papa aos jesuítas, o artigo ressalta três elementos: no centro da vida dos jesuítas, como indivíduos e como Companhia, não pode deixar de existir o “Deus das surpresas”, e a identidade da Companhia de Jesus não pode se construir a não ser com todos juntos, “não sozinhos”. A Companhia, resume o padre Royon, “estará segura” e se sentirá “suficiente” não quando não se ver a si própria, mas quando souber viver com o desejo de se conformar ao Cristo pobre e humilde dos Exercícios, ao Deus encarnado em Jesus de Nazaré, o máximo modelo de ‘descentralização’ na história”. A Companhia não poderá seguir “caminhos paralelos”, mas terá que servir dentro da Igreja, inclusive, quando tiver que “enfrentar incompreensões”, quando se tornar “objeto de equívocos e de calúnias”. O discernimento é o instrumento inaciano por excelência, que o Papa indica a seus irmãos para “compreender a vontade de Deus” e realizar seus "projetos apostólicos”.

Para concluir, os jesuítas são homens de “diálogo” e de “fronteira”, e não devem ceder à “tentação de domesticar as fronteiras”, de “levar para casa as fronteiras”. Ao contrário, devem viver “nas fronteiras”, e também devem ser audazes”.

Leia mais...

Jesuítas: "O papa nos convida a remar com ele", afirma La Civiltà Cattolica

"A Igreja precisa crescer no discernimento": o encontro do papa com alguns jesuítas poloneses

Jesuítas da Indonésia: diálogo, a melhor arma contra o fundamentalismo

Jesuítas elegem ‘Papa Negro’. Na corrida também Lombardi, informa agência italiana

Padre Nicolás apresenta a trigésima sexta congregação geral dos jesuítas. Imaginação e coragem

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Que os Jesuítas não cedam à tentação de domesticar as fronteiras” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU