Vigário apostólico de Aleppo, na Síria: “Recusa do Reino Unido a três mil crianças? Não à indiferença”

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • Fogo atinge floresta da TI Yanomami e Hutukara pede providências

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

29 Abril 2016

“Temos tantas crianças sozinhas que merecem maior atenção humana. Ante tanto sofrimento como se faz para ser tão indiferente?”.

A pergunta é do Vigário Apostólico de Aleppo, Síria, Georges Abou Khazen, no programa ‘Diário do Papa Francisco’ apresentado pela TV 2000, no dia 27-04-2016, comentando a recusa da Grã Bretanha de dar acolhida a três mil crianças sírias que ficaram sozinhas em Calais, na França, e em outros campos de refugiados na Europa. A tradução é de Benno Dischinger

Eis o comentário.

Aleppo – sublinhou o Vigário Apostólico – não é mais a capital cristã da Síria. Por causa das contínuas emigrações no momento há mais cristãos em Damasco. As guerras e os bombardeios sobre quarteirões dos civis produziram destruição e mortes”.

“Os cristãos – acrescentou o Vigário Apostólico de Aleppo – estão dando também testemunho de fé, esperança e caridade acolhendo um grande número de refugiaddos dos outros quarteirões que não são cristãos. Graças a Deus, estão descobrindo em nós a face caritativa e bela da Igreja”.

“Há tantos samaritanos na Síria, cristãos e não cristãos, - prosseguiu o Vigário Apostólico – e isto nos consola. E vendo-os nos dá muita força. Na comunidade cristã há muito mais compartilhamento do necessário: aquele pouco que têm o estão compartilhando. Estamos pedindo às famílias, que deixam as casas e o País, as chaves de suas habitações. Alguns já nos deixaram as chaves do próprio apartamento com tudo arrumado. Isto nos permitiu hospedar as outras famílias em fuga”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vigário apostólico de Aleppo, na Síria: “Recusa do Reino Unido a três mil crianças? Não à indiferença” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU