Só 10% dos católicos buscam o Papa para orientação moral

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

26 Abril 2016

O Papa Francisco é adorado pelos católicos americanos e também pelos não católicos. A sua humildade, o seu otimismo e o seu tom inclusivo são os motivos pelos quais ele é tão popularmente aceito entre os americanos, assim como no resto do mundo. No entanto, a maioria dos americanos que gostam dele não se inspira em sua pessoa quando se trata de orientação moral, segundo um estudo feito pelo Centro de Pesquisas Pew (Pew Research Center).

O comentário é de Nathan Glover, publicado por World Religion News, 21-04-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa

De acordo com os dados encontrados, apenas 1 em cada 10 católicos americanos volta-se para o pontífice em busca de orientação. Cerca de 73% dos fiéis americanos escutam a sua própria consciência quando diante de dilemas morais. 21% deles buscam por orientação nos ensinamentos da Igreja. 15% deles contam com a Bíblia para lhes mostrarem o caminho. Só 11% das pessoas que participaram da pesquisa disseram que olham para o Santo Padre quando confrontadas com questões de moralidade.

O estudo mostra que os católicos rigorosos (aqueles que vão à missa semanalmente e que rezam diariamente) estão mais propensos a se voltar ao papa, e buscar orientação a partir dos ensinamentos da Igreja e da Bíblia, do que os demais católicos.

O ponto a se observar aqui no relatório é que cerca de 74% destes fiéis rigorosos apoiam-se grandemente em sua própria experiência e consciência, ao invés de apoiarem-se no papa ou na Bíblia ou ainda nos ensinamentos católicos. Apoiar-se na própria consciência e experiência, e não buscar pela orientação da Igreja, não necessariamente indica haver conflito com a Igreja ou com o papa. A questão é que a própria Igreja incentiva as pessoas a apoiarem-se em suas próprias consciências. De acordo com ela, uma consciência bem-desenvolvida é confiável e correta.

A educação da consciência é uma tarefa para a vida toda. De acordo com o catecismo, o desenvolvimento e a educação da consciência deveriam orientar-se pela Palavra de Deus e pelos ensinamentos da Igreja.

Amoris Laetitia, exortação apostólica do Papa Francisco publicada em abril deste ano, possui referências a respeito da importância da consciência individual em questões relacionadas à vida em família.

A pesquisa do Centro Pew também informa que aproximadamente 84% dos católicos americanos apoiam-se em suas próprias pesquisas na hora de tomar grandes decisões na vida. A possibilidade aqui é que as suas decisões possam ser indiretamente orientadas pelos ensinamentos católicos, pela Bíblia e pelo papa.

O Centro de Pesquisas Pew é uma organização de pesquisa não partidária americana sediada em Washington, DC. Ela realiza pesquisas e fornece informações sobre temas sociais e tendências demográficas que caracterizam os EUA e os resto do mundo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Só 10% dos católicos buscam o Papa para orientação moral - Instituto Humanitas Unisinos - IHU