Padres casados do Quênia pediram um encontro com o Papa para falar sobre o celibato

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Um bomba social por trás do Auxílio Brasil

    LER MAIS
  • O evangelismo empreendedor: o entrepreneurship na ação política das organizações não-governamentais transnacionais da nova direita

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga no caminho dos Padres da Igreja da América Latina. Artigo de Juan José Tamayo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 30 Novembro 2015

Um grupo de sacerdotes católicos casados do Quênia pediu ao papa Francisco que se reúna com eles, durante sua visita ao país, já que consideram que a Igreja Católica queniana os discrimina por ter abandonado o celibato, informaram hoje os meios de comunicação locais.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 27-11-2015. A tradução é do Cepat.

Os sacerdotes, liderados por Joseph Ndambuki, criticaram duramente o bispo queniano responsável pela organização da visita papal, Alfred Rotich, que no passado domingo afirmou que os sacerdotes que contraíram matrimônio não são considerados parte do clero e que não poderiam “nem se aproximar” do Santo Padre.

“O Papa foi muito claro no tema da marginalização dos sacerdotes casados e sempre pediu que não sejam discriminados”, disse Ndambuki ao jornal Daily Nation. O papa Francisco reconheceu, em maio de 2014, que havia uma “porta aberta” na questão da reforma do celibato sacerdotal na Igreja Católica, ainda que não tenham ocorrido movimentos oficiais a esse respeito.

“A Igreja Católica tem padres casados. Católicos gregos, católicos coptas... há no rito oriental”, recordou então o Papa, quando perguntado sobre o que pensa da prática do celibato sacerdotal na Igreja ocidental.

Segunda Ndambuki, no Quênia há pelo menos 200 sacerdotes que abandonaram o celibato por considerar que não é bíblico, divino e nem símbolo de santidade.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Padres casados do Quênia pediram um encontro com o Papa para falar sobre o celibato - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV