Brasil não tem visão de pertencimento a um planeta em mudança, diz Paulo Artaxo

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Reformas essenciais necessárias em nossa Igreja hoje. Documento da Catholic Church Reform International

    LER MAIS
  • Os dois santos que me salvaram da escrupulosidade

    LER MAIS
  • A grande guerra contemporânea e a diplomacia vaticana. Entrevista com Pietro Parolin, secretário de Estado da Santa Sé

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Junho 2016

Para Artaxo, as novas gerações possuem uma visão mais inteligente e muito menos predatória em relação ao meio ambiente.

A reportagem foi publicada por Radioagência USP, 06-06-2015. 

No dia 5 de junho de 1972, ocorria em Estocolmo a primeira conferência da ONU sobre meio ambiente. Desde então, a data passou a ser celebrada como o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Quarenta e quatro anos depois desse primeiro evento, há o que comemorar quando o assunto é preservação do meio ambiente? Para o professor Paulo Artaxo, do Instituto de Física da USP, a resposta é não.

Em entrevista ao jornalista Fabio Rubira e ao radialista Gilberto Rocha Jr., ele cita como um exemplo recente desse descaso com a proteção do meio ambiente o desastre ambiental de Mariana, onde o rompimento de uma barragem e o mar de lama resultante foram considerados o pior acidente da mineração brasileira. Em escala global, o cientista aponta o grau de degradação ambiental, que coloca em risco o próprio clima do planeta.

Artaxo critica a filosofia do lucro a qualquer custo, que muitas vezes aparece como o mote desse descaso com a questão da preservação ambiental. Para ele, é plenamente possível conciliar “desenvolvimento sustentável com preservação do meio ambiente”. O problema, argumenta, é que “o Brasil está despreparado, porque nossos governantes não têm qualquer visão de pertencimento a um planeta que está em processo de mudança”.

Escute o áudio clicando na imagem: 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasil não tem visão de pertencimento a um planeta em mudança, diz Paulo Artaxo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV