O EZLN está contribuindo para outro tipo de país, afirma o bispo Arizmendi

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: André | 01 Março 2016

A declaração do Conselho da Judicatura Federal do México sobre a prescrição dos crimes de terrorismo, sedição, motim, rebelião e conspiração pelos quais se emitiu uma ordem de apreensão, em 1995, contra o Subcomandante Insurgente Marcos e de outros membros do Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), “é uma coisa meramente jurídica”, considerou o bispo da diocese de San Cristóbal de las Casas, Felipe Arizmendi Esquivel.

A reportagem é de Elio Henríquez e publicada por La Jornada, 28-02-2016. A tradução é de André Langer.

Em uma coletiva de imprensa e à pergunta de um repórter acrescentou que “não é um problema pronunciar-se sobre” o dirigente rebelde.

“É obvio que a lei se aplica. Antes havia uma demanda para prendê-lo, mas já prescreveu, embora Marcos (agora Galeano) e companhia se burlam disso, isso não lhes importa”, acrescentou quando um repórter pediu sua opinião sobre o tema.

E acrescentou: “Significa isso que eles podem dedicar-se agora à política, a criar um partido? Não é sua linha; sua linha é construir debaixo para cima a fraternidade, a justiça e outro tipo de democracia, de vida. Respeitamos muito essa atitude”.

– A decretação da proscrição dos crimes significa que o governo considera que já não representa um perigo para o país?

– Não, é uma coisa meramente jurídica, isto é, não é um problema pronunciar-se sobre ele, que, por outro lado, com todo o EZLN procurou dar uma contribuição de como se pode viver outro tipo de vida, de democracia, de educação, e há uma contribuição que lamentavelmente se poderia perder e é preciso procurar que não se perca. Há coisas muito importantes com que eles estão contribuindo para outro tipo de país e onde isso está acontecendo está dando bons resultados, embora não em todas as partes. Infelizmente, já muitas coisas estão se perdendo.

E prosseguiu: “E ele não representa um perigo no sentido bélico-militar. Desde 1994 não o era e agora menos ainda. São posições políticas que é preciso analisar e ter em conta”.

O Conselho da Justiça Federal do México decretou na terça-feira passada a prescrição dos crimes imputados em 1994 contra o dirigente guerrilheiro e outros líderes rebeldes, ao que o EZLN respondeu com gozação.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O EZLN está contribuindo para outro tipo de país, afirma o bispo Arizmendi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU