O arcebispo de Canterbury admite erros na gestão dos casos de abusos

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: André | 01 Setembro 2012

O arcebispo de Canterbury, Rowan Williams, admitiu nesta quinta-feira que a Igreja anglicana cometeu falhas na proteção dos menores que sofreram abusos sexuais durante duas décadas na diocese de Chichester (sudeste da Inglaterra).

A reportagem é da agência Efe, 31-08-2012. A tradução é do Cepat.

O primaz da Igreja anglicana, que ordenou uma investigação no final de 2011 sobre os abusos sofridos por vários menores nessa diocese, afirmou que o relatório final sobre esses casos “confirma que houve muitas falhas continuadas na implantação de uma política de proteção sólida e confiável”. “Ficou claro que muitas vidas ficaram arruinadas”, apesar de que “alguns buscaram justiça através dos tribunais”, indicou o documento.

O arcebispo recalcou que os casos de abusos de menores em Chichester são “específicos” dessa diocese, embora tenha destacado que há “lições a aprender para o resto da Igreja anglicana”. O ex-bispo de Chelmsford John Cladwin e o chanceler Rupert Bursell – advogado da Igreja – foram os responsáveis pela realização de uma investigação que analisou por que dois sacerdotes envolvidos nos casos de pederastia entre os anos 1980 e 1990, Roy Cotton e Colin Pritchard, foram autorizados a continuar em seus postos de trabalho.

“O dano permanente que foi causado é algo que nenhum de nós pode ignorar. Espero que eles (as vítimas) saibam que nós tomamos a sua experiência com a máxima seriedade. Devemos a eles não apenas palavras de desculpa, mas também o nosso mais profundo esforço para nos certificar de que as nossas Igrejas são lugares seguros para as crianças”, ressaltou o arcebispo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O arcebispo de Canterbury admite erros na gestão dos casos de abusos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU