Há alguma resposta realista não violenta à violência no Iraque?

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • Israel poderá continuar devastando Gaza e atacando o Líbano com o apoio e assistência militar dos Estados Unidos

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

25 Agosto 2014

No início desta semana escrevi um artigo sobre os comentários do Papa Francisco com relação à intervenção militar no Iraque e ao princípio católico da guerra justa. As críticas se misturaram. Enquanto muitos concordaram que não podemos praticar o quietismo em meio à violência no Iraque, houve uns que acharam que eu errei na caracterização do pacifismo cristão neste processo.
Esta frase causou consternação em particular: “promover uma espécie de pacifismo laissez-faire no Iraque é se silenciar e ser indiferente com as vítimas da campanha de violência do [grupo radical Estado Islâmico]”.

A reportagem é de Christopher Hale, membro do grupo Catholics in Alliance, publicada por National Catholic Reporter, 22-08-2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Concordo que, provavelmente, fui longe demais nesta caracterização. Os que vão além do pacifismo e entram no quietismo não são “indiferentes” perante o sofrimento.

A minha crítica católica do pacifismo não é, porém, sem precedentes. O Papa Paulo VI foi mais longe do que eu em sua mensagem para o Dia Mundial da Paz, de 1968: “Paz não é pacifismo, não esconde uma concepção vil e preguiçosa da vida; mas, proclama sim os valores mais altos e universais da vida: a verdade, a justiça, a liberdade e o amor”.

Dito isso, fica claro que a Igreja reconhece um lugar para o pacifismo dentro da tradição religiosa. O catecismo, em particular, sublinha a necessidade de se proteger aqueles que declaram objeção de consciência e que não desejam participar de ações militares.

E houve também uma história de resistência não violenta que foi eficaz. No século passado, Mahatma Gandhi, Nelson Mandela e o Papa João Paulo II nos mostraram que pessoas boas podem vencer uma guerra sem levantar a mão. Jesus Cristo mesmo, em sua vida e em seus ensinamentos, nos ensinou a sermos mais espertos e superar aqueles que cometem violência e maldade contra as nossas comunidades.

Numa entrevista no início desta semana, o Papa Francisco disse que o propósito de qualquer intervenção militar no Iraque deve ser o de parar a violência e nada mais. Este objetivo de parar a violência deve também ser o de toda e qualquer intervenção não violenta na região.

Nesse particular, tenho ainda que encontrar uma abordagem realista e não violenta para parar essa campanha potencialmente genocida contra minorias étnicas e religiosas no Iraque. Acolho com prazer qualquer pessoa ou organização que proponha uma abordagem assim. Intervenções militares sempre deveriam ser última opção, mas até que possamos encontrar uma alternativa legítima, elas podem ser a única possibilidade.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Há alguma resposta realista não violenta à violência no Iraque? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU