'Não existem respostas finais", diz Gleiser

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

13 Agosto 2014

Imagine um dia em que a humanidade soubesse de tudo. Todos os detalhes do surgimento e da evolução do Universo, da vida e da inteligência fossem conhecidos. E aí, o que fariam os cientistas nesse dia? Jardinagem?

A entrevista é Salvador Nogueira, publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 11-08-2014.

"Essa noção de que existe uma resposta final empobrece o conhecimento", afirma o físico Marcelo Gleiser

Eis a entrevista.

Por que incomoda tanto os cientistas quando são apontados os limites da ciência?

Porque os cientistas têm uma visão um pouco romântica e antiquada de que a ciência é capaz de tudo. Você tem que ser honesto sobre aquilo que a ciência é capaz de fazer. O objetivo do livro é trazer um pouco de sobriedade na divulgação científica.

O sr. apresenta não só os limites momentâneos do avanço científico, ligados aos instrumentos atuais, mas também aqueles que jamais poderão ser transpostos. Para as questões que a ciência jamais poderá abarcar, o que nos sobra?

Dentro dessa evolução histórica da ciência, não existem respostas finais. Há respostas que vão se aprimorando, como a gravidade. E essa noção de que existe uma resposta final empobrece o conhecimento.

No livro, o sr. foca tanto nos limites da ciência como na busca por sentido. O Universo precisa ter sentido ou nós que precisamos encontrar um sentido nele?

O Universo estava aqui feliz da vida durante 13,8 bilhões de anos sem a gente. Mas nós chegamos e somos essas máquinas moleculares que olham para o céu maravilhadas, querendo entender o que está acontecendo. Nós é que temos essa necessidade de entender o mistério.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

'Não existem respostas finais", diz Gleiser - Instituto Humanitas Unisinos - IHU