CUT e Força perdem espaço no movimento sindical

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

21 Julho 2014

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Força Sindical perderam espaço no movimento sindical nos três anos de governo Dilma, mostra a aferição das centrais sindicais divulgada ontem pelo ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias (PDT), em reunião fechada com as centrais.

A reportagem é de Raphael Di Cunto, publicada pelo jornal Valor, 18-07-2014.

Segundo dados que serão publicados hoje no "Diário Oficial da União", a CUT, central ligada ao PT, tinha 34,4% dos trabalhadores sindicalizados filiados à central em dezembro de 2013. Em 2010, último ano do governo Lula, os sindicatos da CUT respondiam por 38,32% dos sindicalizados. A Força Sindical, que se distanciou do governo Dilma, caiu de 14,12% para 12,59% no mesmo período.

Estes três anos foram marcados pelo crescimento das outras três grandes centrais, em especial da União Geral dos Trabalhadores (UGT), dissidência da Força, que investiu na representação do setor de serviços. A UGT saltou de 7,89% em dezembro de 2010 para 11,92% no fim do ano passado.

Para o secretário-geral da Força, João Carlos Juruna, os números são resultado, além da troca de comando de sindicatos, do aumento da formalização no setor de serviços, dominado pela UGT, e da queda nos empregos da indústria, onde Força e CUT são mais presentes.

O percentual de sindicalizados serve para a central receber 5% do imposto sindical (equivalente a um dia de salário por ano de cada trabalhador com carteira assinada) dos filiados e ter assento em conselhos do governo, como o que administra o Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT). Para isso, a central precisa representar pelo menos 7% dos sindicalizados do país.

Por esse critério, a Central de Sindicatos Brasileiros (CSB), ligada ao PMDB, não vai ter direito a parcela do imposto - ficou com apenas 5,42%, ante 3,2% em 2012. A entidade entrou com recurso para validar o registro de vários sindicatos, pedido que foi criticado pelas outras centrais e negado ontem pelo ministro depois de atrasar o resultado em três meses.

Já a CTB, ligada ao PCdoB e PSB e que representa 9,33% dos trabalhadores sindicalizados, e a Nova Central, que é apartidária e responde por 8,01%, vão receber sua parcela do imposto - que teve R$ 138 milhões divididos em 2012.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

CUT e Força perdem espaço no movimento sindical - Instituto Humanitas Unisinos - IHU