Inúteis. Escritor comenta as eleições europeias

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • “A reação de pastores é uma rebelião política em nome da fé”. Entrevista especial com José de Souza Martins

    LER MAIS
  • O que precisamos aprender com André Janones

    LER MAIS
  • “A saúde do solo, das plantas e a nossa estão interligadas”. Entrevista com Vandana Shiva

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Mai 2014

"É difícil imaginar um retrocesso radical e imediato do seu projeto de união – embora até a permanência do euro, a moeda única de uma nação fictícia, longe de ser única, esteja sendo posta em dúvida –, mas o resultado das eleições deste fim de semana pode muito bem sinalizar o prelúdio de um suicídio", escreve Luis Fernando Verissimo, escritor, em artigo publicado pelo jornal Zero Hora, 26-05-2014

Eis o artigo.

As eleições para o parlamento europeu que aconteceram neste fim de semana foram um plebiscito disfarçado sobre o futuro da Comunidade Europeia. Entre os candidatos pedindo votos, há um forte e barulhento grupo – talvez uma maioria – que é contra a comunidade, e, portanto, quer ser eleito para uma instituição que pretende destruir.

As razões para sabotar a União Europeia vão desde o nacionalismo emocional até a reação da Europa do Norte ao atraso que representam as economias letárgicas da Europa do Sul e a ameaça de admissão de mais países problemáticos à comunidade, favorecendo a invasão de mão de obra barata do Leste. E passando pelo ressentimento de muitos com o domínio da Alemanha de Merkel sobre todos. A receita de frau Merkel para a saúde geral da comunidade é apfelstrudel, apfelstrudel e não tem conversa.

Assim, boicotada por dentro, a Comunidade Europeia caminha para ser outra Nações Unidas, um monumento à inutilidade de uma boa ideia. As Nações Unidas também nasceram como um projeto de congraçamento, para substituir as guerras pelo debate e o embate irracional pela razão.

É só lembrar de todos os conflitos que acometeram o mundo desde que as Nações Unidas existem, sem que a organização pudesse evitá-los ou condicionar a política de grandes potências, para desesperar a humanidade. A ONU faz um trabalho valioso nas áreas da saúde e alimentação internacionais e continua lá, no seu imponente prédio à beira do East River, mas, no seu propósito principal, fracassou.

A Comunidade Europeia também tem um vistoso parlamento, em Bruxelas, simbolizando sua própria frustração. É difícil imaginar um retrocesso radical e imediato do seu projeto de união – embora até a permanência do euro, a moeda única de uma nação fictícia, longe de ser única, esteja sendo posta em dúvida –, mas o resultado das eleições deste fim de semana pode muito bem sinalizar o prelúdio de um suicídio.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Inúteis. Escritor comenta as eleições europeias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV