Aqueles dois minutos do Frei Betto com o papa

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

14 Abril 2014

"O papa não recebeu Frei Betto em Santa Marta, não se tratou de uma conversa articulada." O padre Federico Lombardi, diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, redimensiona o porte do encontro ocorrido na última quarta-feira às margens da Audiência geral entre Frei Betto e o Papa Francisco.

A reportagem é de Andrea Tornielli, publicada no sítio Vatican Insider, 11-04-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O teólogo dominicano, em várias entrevistas, contou ter pedido ao papa "a reabilitação de Giordano Bruno e do Mestre Eckhart, dois dominicanos como eu...". O papa – contou – sorriu e respondeu: "Reze por isso!". A notícia deu a volta ao mundo e foi apresentada como a intenção de Francisco de "reabilitar" Giordano Bruno, condenado à fogueira pela Inquisição em 1600, cujas posições panteístas e gnósticas sempre foram consideradas incompatíveis com a fé católica.

"Também lhe pedi, como pai amoroso – disse ainda Frei Betto –, que ele sempre tenha um diálogo com aquela filha amorosa que é a teologia da libertação, uma filha fiel que quer o bem da Igreja."

O encontro improvisado com o teólogo dominicano – que está na Europa para apresentar o seu livro, o romance Um homem chamado Jesus (Rocco, 2009) –, foi enfatizado e carregado de significados que não tinha. Por isso, o porta-voz vaticano quis especificar: "Tratou-se apenas de uma saudação de passagem, no âmbito do chamado 'beija-mão' ao término da audiência de quarta-feira, e não de uma conversa articulada ou de uma audiência, e, portanto, não deve ser transformado em algo que não é. O papa se deteve por alguns instantes, ouviu e no fim concluiu, como sempre faz, convidando a rezar".

"Certamente – concluiu o Pe. Lombardi –, o Papa Francisco não teve a intenção de entrar no mérito do episódio de Giordano Bruno."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aqueles dois minutos do Frei Betto com o papa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU