Modelo tradicional de vida saudável, dieta mediterrânea está sob ameaça, alerta ONU

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Junho 2015

A região do Mediterrâneo está passando por uma “transição nutricional”, afastando as pessoas da dieta tradicional, muito reverenciada como um modelo de vida saudável e sistema de alimentação sustentável por preservar o meio ambiente e capacitar os produtores locais, alertou a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

A reportagem foi publicada por EcoDebate, 16-06-2015.

Essa é a conclusão de um novo relatório apresentado nesta quinta-feira (11) na Expo Milano pela FAO e o Centro Internacional de Estudos Avançados Agronômicos Mediterrâneos (CIHEAM), um grupo de 13 países que cooperam nos domínios da agricultura, alimentação, pesca e territórios rurais da região. Na ocasião, lançaram um chamado para incentivar a conservação dos agroecossistemas do Mediterrâneo que permita a sustentabilidade da dieta local.

“A dieta mediterrânea é nutritiva, integrada às culturas locais, ambientalmente sustentável e apoia as economias locais”, explicou o coordenador do Programa de Sistemas Alimentares Sustentáveis da FAO, Alexandre Meybeck. O foco da dieta mediterrânea em óleo vegetal, cereais, legumes e leguminosas, e consumo moderado de peixe e carne, tem sido associado com a vida longa e saudável.

No entanto, a globalização, os mercados de alimentos e mudanças nos estilos de vida – incluindo os papéis da mulher na sociedade – estão alterando os padrões de consumo no Mediterrâneo, levando-os a comer menos frutas e legumes e mais produtos lácteos e derivados de carne. Os monocultivos e exportação de alimentos de outras regiões também foram apontados como causas dessa mudança.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Modelo tradicional de vida saudável, dieta mediterrânea está sob ameaça, alerta ONU - Instituto Humanitas Unisinos - IHU