Árvores da Amazônia consomem menos carbono em épocas de seca

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A “revolução litúrgica” de Francisco põe fim às missas tradicionalistas e restaura a reforma conciliar “em toda a Igreja do Rito Romano”

    LER MAIS
  • O crepúsculo do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Nicarágua. As Irmãs de Madre Teresa de Calcutá acusadas pelo governo Ortega de “não respeitar as leis contra o terrorismo e a proliferação de armas de destruição em massa” (sic)

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Março 2015

Queda de consumo de carbono aumenta mortes de árvores, diz estudo. Decomposição de árvores eleva CO2, acelerando mudanças climáticas.

A reportagem foi publicada no portal G1, 04-03-2015. 

Cientistas concluíram que o ritmo em que as árvores da Amazônia “inalamcarbono por meio da fotossíntese pode diminuir durante os períodos de seca severa.

Pela primeira vez, uma equipe internacional de pesquisadores, liderados por especialistas da Universiade de Oxford, na Inglaterra, apresentaram provas diretas sobre essa queda do consumo de carbono.

Florestas tropicais são conhecidas popularmente como os ‘pulmões’ do planeta. Aqui, mostramos pela primeira vez que durante secas severas a taxa de ‘inalação’ do carbono pela fotossíntese pode diminuir”, diz o pesquisador Christopher Doughty, um dos autores da pesquisa.

“Essa queda no consumo de carbono não diminui as taxas de crescimento, mas significam um aumento nas mortes das árvores” nos anos seguintes à seca.

Com a morte das árvores, elas se decompõem, aumentando ainda mais as concentrações de dióxico de carbono na atmosfera, segundo Doughty, o que pode acelerar as mudanças climáticas durante as secas tropicais.

Os cientistas mediram, durante três anos, as taxas de crescimento das árvores, a quantidade de folhas caídas e a liberação de dióxido de carbono pelas árvores. Uma grande seca ocorreu bem no meio do estudo, em 2010.

Foi possível constatar, então, que enquanto a taxa de fotossíntese permaneceu constante nas áreas que não haviam sido afetadas pela seca, essa taxa caiu nos lugares mais afetados pelo fenômeno.
A rede Monitoramento de Ecossistemas Globais (GEM), coordenada pela Universidade de Oxford, deve continuar a acompanhar as florestas nas Américas, Ásia e África para verificar como elas são afetadas pelas mudanças climáticas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Árvores da Amazônia consomem menos carbono em épocas de seca - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV