A Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos pede o fim do embargo a Cuba

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Jonas | 20 Abril 2012

O Governo dos Estados Unidos deve restabelecer as relações diplomáticas e retirar as restrições de viagens a Cuba, para promover a liberdade religiosa e os direitos humanos na ilha, segundo afirmou, ontem (18/04), a Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB). Numa carta enviada à secretária de Estado, Hillary Clinton, o bispo Richard E. Pates, de Des Moines (Iowa), disse que com esses dois passos os Estados Unidos “estarão apoiando o povo de Cuba, nossos vizinhos, à apenas 144 quilômetros de distância, a conquistarem mais liberdade, direitos humanos e liberdade religiosa”.

A reportagem está publicada no sítio InfoCatólica, 19-04-2012. A tradução é do Cepat.

A mensagem de Pates, enviada na terça-feira, e divulgada hoje pela USCCB, indicou, além disso, que os Estados Unidos estariam estabelecendo relações com um sócio comercial “que beneficiará ao comércio estadunidense”.

Pates, que preside o Comitê de Justiça Internacional e Paz, da USCCB, elogiou que a Administração Obama tenha flexibilizado, no ano passado, as restrições de viagem dos cubano-americanos a Cuba.

Na carta, o líder religioso disse que depois de participar da visita do Papa Bento XVI, entre 26 e 28 de março, pode constatar, em primeira mão, como a continuação desta tendência de abertura “melhorará a vida das pessoas dos dois países”.

“As organizações caritativas, incluindo as da Igreja católica, proveem serviços essenciais e que colaboram com a vida dos mais marginalizados e empobrecidos de Cuba”, disse Pates na carta.

Ele acrescentou que, durante sua visita à ilha, tanto os membros dessas organizações, como os representantes do alto escalão da Igreja Católica em Cuba, comunicaram-lhe, em reiteradas ocasiões, que seus trabalhos se veem frustrados pela incapacidade de se obter produtos dos Estados Unidos, devido ao embargo.

Nesse sentido, Pates reiterou a postura da Igreja católica de que somente uma maior aproximação com Cuba pode suscitar um caminho positivo neste país.

Na segunda-feira passada, o senador democrata, Jeff Bingaman, afirmou que são os Estados Unidos que estão “defasados” na sua política exterior, em relação a Cuba, e que, a seu ver, está na hora de reestabelecer as relações diplomáticas com a ilha.

Porém, membros do exílio cubano, entre eles os legisladores republicanos de origem cubana no Congresso, se opõem a retirada do embargo que os Estados Unidos mantêm contra a ilha, desde 1962, por considerarem que não se pode premiar o regime castrista dessa maneira, e que uma maior abertura não levará a ilha para um caminho democrático.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos pede o fim do embargo a Cuba - Instituto Humanitas Unisinos - IHU