Horror e desespero no mais recente massacre de migrantes no norte da Líbia, segundo jesuítas italianos

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Agosto 2015

O Centro Astalli expressa novamente profundo pesar pelas dezenas de vítimas do naufrágio de ontem na costa da Líbia.

Estamos frente a enésima tragédia que poderia ter sido evitada colocando em ação uma política séria e responsável por parte dos Estados e das instituições europeias. Este enésimo naufrágio evidencia a ineficácia das ações de salvamento e socorro colocada em prática pela União Europeia.

A informação é publicada pelo Centro Astalli, Roma, que acolhe refugiados e é mantido pelos jesuítas italianos, 06-08-2015. A tradução é de Ivan Pedro Lazzarotto.

Fizemos mais uma vez um apelo à União Europeia e aos governos nacionais para que coloquem no topo de suas prioridades medidas para evitar a morte de quem até hoje não tem outra possibilidade para pedir asilo na Europa se não a de pagar aos traficantes. Nos últimos meses assistimos atônitos a morte de pessoas no mar no momento em que são avistadas e que se aproximam, deveriam ser socorridas e salvas  das embarcações. Hoje pagamos um preço bem alto pela escolha nefasta de interromper a operação Mare Nostrum e substituí-la pela Triton que se mostra, novamente, incapaz de atingir seu objetivo: socorrer e salvar vidas.

O Centro Astalli reitera a urgência de se criar canais humanitários seguros. São necessárias vias legais que permitam a quem foge de guerras e perseguições de pedir asilo na Europa sem arriscar a vida na mão de traficantes.

Solicitamos ainda uma tempestiva intensificação e uma maior eficácia das operações de socorro e salvamento num raio maior.

P. Camillo Ripamonti, presidente do Centro Astalli: “Se a Europa não conseguir salvar as vidas humanas que tentam socorrer, temos que nos perguntar o que não está funcionando. Neste ponto parece evidente que o salvamento das vidas humanas e a acolhida dos refugiados não é um problema meramente de oportunidade ou possibilidade econômica. É preciso mudar de direção e redefinir o sentido de uma civilização que, não acolhendo, mata”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Horror e desespero no mais recente massacre de migrantes no norte da Líbia, segundo jesuítas italianos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU