AIE pede urgência e defende a descarbonização da eletricidade

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • 50 anos de teologias da libertação memória, revisão, perspectivas e desafios

    LER MAIS
  • Guerra Civil Psicótica Global (GCPG). Artigo de Franco ‘Bifo’ Berardi

    LER MAIS
  • Algoritmo sensível, elites insensíveis: o problema de base do capitalismo 4.0

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Dezembro 2014

"Nosso foco aqui é o de fortalecer o aspecto da energia nas negociações de clima", disse ontem Maria Van der Hoeven, diretora executiva da Agência Internacional de Energia (IEA), na conferência do clima das Nações Unidas em Lima, a COP-20. "É nossos interesse ajudar os governos a encontrarem segurança energética e fazer com que se alcancem suas metas de corte de gases-estufa", continuou. "Não há solução climática que não passe pelo debate energético."

A reportagem é de Daniela Chiaretti, publicada pelo jornal Valor, 10-12-2014.

O uso de energia tem sido um vetor crítico do crescimento econômico e da redução da pobreza, lembrou. "Se continuarmos no mesmo caminho que estamos, onde a maior parte da energia vem de combustíveis fósseis, chegaremos aos 4.C", seguiu. Ela disse ainda que o volume de CO2 do fornecimento de energia global não caiu. "Isso é uma mensagem frustrante."

Falando na última COP antes da conferência de Paris, onde o acordo global deve ser firmado para vigorar em 2020, Maria Van der Hoeven, disse que Lima era a ocasião, para o setor energético injetar suas ideias. "Dois terços das emissões de gases-estufa vêm do setor."

Ela divulgou cinco mensagens da IEA para os negociadores. A primeira é o sentido de urgência, de agir hoje. A segunda é focar na descarbonização da eletricidade. "A terceira é repensar os investimentos e acelerar a inovação e as tecnologias de baixo carbono", disse. "Temos que olhar além da mudança climática: melhorar a qualidade do ar e da água também contribuirá para este esforço." Finalmente, citou que o setor energético tem de buscar resiliência em todos os países e prever as mudanças necessárias no longo prazo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

AIE pede urgência e defende a descarbonização da eletricidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV