Sindicatos acusam montadoras de demitir e abrir PDVs durante isenção de IPI

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A novidade de Maria Tupansy: Auto da Assunção de São José de Anchieta. Artigo de Felipe de Assunção Soriano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 07 Janeiro 2014

Com o fim da isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para a indústria automotiva, começa a despontar a insatisfação de sindicatos com a condução dos negócios das montadoras ao longo do período de desoneração. Agora, sindicalistas argumentam que ter demitido funcionários ou mantido Programas de Demissão Voluntária (PDVs) abertos enquanto as isenções fiscais estavam em vigor é impróprio.

A reportagem é de Bárbara Ladeia e publicada pelo iG, 06-01-2014.

O estopim para as reclamações está no caso mais recente, que culminou na demissão de mais de mil funcionários da planta da GM de São José dos Campos, que fabricava a linha Classic. Depois de ouvir as explicações da GM na última sexta-feira (3), agora representantes do Governo Federal vão receber o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP) para discutir demissões e Programas de Demissão Voluntária lançados durante o período em que vigoraram desonerações e acordos com o governo.

A reunião com o ministro do Trabalho, Manoel Dias, está marcada para segunda-feira (6). Segundo Antonio Ferreira, o Macapá, presidente do sindicato, o grupo que seguirá para Brasília fará plantão também no Palácio do Planalto para conseguir uma agenda extraordinária com a presidente Dilma Rousseff. Até o momento, a presidente não tinha horário disponível para receber os sindicalistas.

Macapá pretende reverter as mais de mil demissões feitas por telegrama pela GM entre o Natal e o Ano Novo, garantir o emprego desses funcionários e cobrar os investimentos que a empresa prometeu fazer na região – que incluiam a abertura de mais 2.500 postos de trabalho e instalação de uma linha de produção de carro popular. No entanto, o debate deve ir além desse caso. “Não são só eles. A GM é a segunda empresa mais beneficiada pelos programas de desoneração do governo, só perde para a Fiat, que por sinal não está demitindo ninguém”, diz Macapá.

Em maio de 2012, o governo concordou em desonerar o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) do setor automotivo, desde que os empregos fossem mantidos. Essa parte do acordo foi cumprida. Eram 145 mil empregos em maio de 2012 – na última medição, em novembro, esse número tinha subido para 155 mil, segundo números da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Macapá entende que os R$ 6 bilhões dos quais o governo abriu mão para beneficiar a indústria automotiva precisam retornar em forma de aquecimento econômico. Mesmo que o acordo tenha sido tecnicamente cumprido, o sindicalista avalia que o governo federal deve intervir diretamente em casos de demissões e até mesmo programas de demissão voluntária (PDV) abertos pelas montadoras. “Se juntar com os PDVs, a GM não está sozinha nessa.”

Outras demissões

Aparecido Inácio da Silva, o Cidão, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano do Sul (no ABC Paulista), conta que entre agosto e novembro foram 300 demitidos na planta da GM na cidade. “Eles são duros de negociar, não foi tranqüilo. Mas foi o que conseguimos fazer”, lamenta o sindicalista que, no entanto, acha que a questão em São José dos Campos foi “pontual”. “Nem por tabela isso vai atingir a nossa planta de São Caetano.”

Ao contrário das demissões, que não deveriam acontecer enquanto durasse a desoneração, diversos PDVs estiveram abertos no final do ano. Um deles é o da Volkswagen, na planta de Taubaté (SP), que começou em novembro. Embora estivesse mirando os mais velhos de casa e próximos à aposentadoria, o PDV também estava aberto a quem mais tivesse interesse. A empresa não divulga a expectativa de adesão nem o número de funcionários que se demitiram voluntariamente.

Na Ford, também em Taubaté, 290 funcionários deverão ser desligados até março deste ano, devido ao encerramento da produção do motor Rocam, fato que gerou excedente de mão de obra. Segundo o sindicato, até dezembro 230 funcionários já tinham aderido ao PDV oferecido pela montadora, mas a expectativa era de que mais 50 ou 60 temporários ainda poderiam ser demitidos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sindicatos acusam montadoras de demitir e abrir PDVs durante isenção de IPI - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV