“O papa não tinha vínculos com a ditadura”. A afirmação é de Pérez Esquivel

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: André | 14 Março 2013

O ativista argentino dos direitos humanos Adolfo Pérez Esquivel, ganhador do prêmio Nobel da Paz de 1980, negou que seu compatriota, o cardeal Jorge Bergoglio, recém-eleito papa, tivesse vínculos com o regime militar que governou a Argentina entre 1976 e 1983, como assinalaram alguns críticos do novo pontífice.

A reportagem é do sítio argentino Infobae, 14-03-2013. A tradução é do Cepat.

Em declarações à BBC Mundo, Pérez Esquivel disse que “houve bispos que foram cúmplices da ditadura, mas Bergoglio não”.

“Questiona-se Bergoglio porque se diz que não fez o necessário para tirar da prisão dois sacerdotes, sendo ele o superior da congregação dos jesuítas. Mas eu sei pessoalmente que muitos bispos pediam à Junta Militar a libertação de prisioneiros e sacerdotes, o que não era concedido”, acrescentou Pérez Esquivel.

“Não há nenhum vínculo que o relacione com a ditadura”, garantiu o ativista à BBC Mundo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O papa não tinha vínculos com a ditadura”. A afirmação é de Pérez Esquivel - Instituto Humanitas Unisinos - IHU