Professores gaúchos boicotam desfile de hoje na luta pelo piso nacional

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Setembro 2011

No desfile em comemoração à Independência do país vão faltar cerca de 10 mil alunos. A ausência faz parte de um protesto idealizado por professores das redes estadual e municipal de São Lourenço do Sul, no sul do Estado do Rio Grande do Sul, que decidiram boicotar a marcha como forma de reivindicar a implantação do piso nacional. Sem escolha, os estudantes que quiserem homenagear a pátria terão a única opção de participar de um ato cívico fechado, dentro do prédio de cada uma das 59 escolas envolvidas.

A reportagem é de Joice Bacelo e publicada pelo jornal Zero Hora, 07-09-2011.

Adecisão inédita e isolada no Estado virou motivo de discussão. De todas as instituições da rede pública, apenas três vão participar do desfile na Avenida Júlio de Castilhos, que ocorre hoje, a partir das 9h.

– Vamos desfilar mesmo sem o apoio da classe. Não acho ético a luta dos professores servir como empecilho à vontade dos alunos – contesta a diretora da escola de Educação Infantil Raio de Luz, Aline Ribeiro, 31 anos, sem o apoio de colegas, mas com o suporte de pais dos alunos.

Para a faxineira Márcia Alves, 37 anos, deixar de levar o filho para o desfile seria como interferir diretamente na vida escolar da criança. Desde agosto eles realizam reuniões para organizar a passagem pela avenida. O pequeno Willian, filho de Márcia, vai desfilar em uma bicicleta enfeitada especialmente para o Dia da Independência.

Tanto o Conselho Tutelar quanto a Coordenadoria Regional de Educação e a Secretaria de Educação do município não interferiram na decisão dos professores. O desfile de 7 de Setembro é promovido pelo núcleo da Liga de Defesa Nacional em São Lourenço do Sul. Todos os anos é enviado um convite às escolas, que podem aceitar ou recusar a proposta.

– Eu nunca tinha visto isso acontecer na cidade. Todos os anos fazemos uma grande festa, só temos a lamentar. Pelos meus estudos, essa decisão é rara no país e, com certeza, vai abrir uma lacuna na história de São Lourenço – diz o presidente da entidade, tenente Cláudio Soares.

O prefeito José Nunes (PT) disse que só interferiria na decisão dos professores caso eles tivessem renegado a data, sem uma programação própria. Porém, cada escola fará uma atividade separada, no mesmo horário do desfile na Avenida Júlio de Castilhos, sem obrigar os estudantes a participar.

Entidades têm opinião divergente

Entidades ligadas à educação apoiam o protesto em São Lourenço do Sul, cuja iniciativa foi do Sindicato dos Municipários local, como protesto e forma de pressionar o governo do Estado para a implantação do piso nacional. Para o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Roberto Leão, a manifestação é válida por cobrar a promessa do governo de estabelecer o piso dos educadores em todo o país.

– A homenagem à pátria não se dá apenas pelo desfile. Se dá no cumprimento das leis aprovadas no Parlamento. Então, é um belo exemplo de patriotismo cobrar das autoridades, que inclusive vão estar no palanque, para que cumpram a lei – afirmou Leão.

Presidente do Centro dos Professores do Rio Grande do Sul (Cpers/Sindicato), Rejane de Oliveira acompanha a opinião da CNTE e acha a manifestação legítima.

Ainda que concorde com a manifestação dos professores pelo piso da categoria, o presidente da Liga de Defesa Nacional no Estado, Floriano Gonçalves Filho, considera que a data não é apropriada.

– A reivindicação sempre é válida, mas esse é um dia em que a gente procura homenagear a pátria. São duas coisas bem diferentes. A pátria não são os governantes, e sim o povo. O pessoal confunde essas coisas, infelizmente – disse.

De acordo com a presidente do sindicato dos municipários, Neda Maria Marth, os professores de São Lourenço recebem, por 40 horas, um salário de R$ 1.097, enquanto o piso é de R$ 1.187 e serve de base para os benefícios.

– Preferimos não fazer greve, isso sim prejudicaria os estudantes. A nossa intenção é lutar pela causa que vai levar para sala de aula um professor mais valorizado e motivado – explica.


Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Professores gaúchos boicotam desfile de hoje na luta pelo piso nacional - Instituto Humanitas Unisinos - IHU