O número de mortes por covid-19 é quatro vezes maior nos países pobres

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Não podemos mais ignorar o debate sobre a redução da jornada de trabalho porque funciona para muitas empresas”. Entrevista com Pedro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Março 2022

 

Após dois anos do início da pandemia, por meio de um comunicado, a ONG Oxfam Intermón declarou que embora o impacto da covid-19 tenha sido “devastador” em países europeus, os países mais pobres do mundo foram os mais afetados, sofrendo os efeitos de maneira “desproporcional”.

 

A reportagem é publicada por Naiz, 03-03-2022. A tradução é do Cepat.

 

No relatório, ressaltam que em muitos desses países pobres um grande número de mortes ficou sem ser registrada por falta de testes diagnósticos e informações. Portanto, são 19,6 milhões de pessoas que morreram por causa da pandemia, três vezes o número oficial, segundo os parâmetros da Oxfam Intermón.

Sendo assim, a ONG estima que para cada morte em um país de renda alta, outras quatro pessoas morreram em um país de renda baixa ou média-baixa, pois o índice de falecimentos nesses países é 31% mais alto do que naqueles de renda alta.

Nesse sentido, destacou que “houve três milhões de mortes por covid-19 nos três meses seguintes ao surgimento da variante ômicron. Esse número desfaz a ideia de que a pandemia está chegando ao fim por ser a ômicron mais leve, já que tal variante, que é mais contagiosa, causa estragos nas populações não vacinadas”.

Além disso, a Oxfam apontou que 99% da humanidade está pior devido à pandemia. Cerca de 160 milhões de pessoas foram empurradas para a pobreza e 137 milhões perderam seus trabalhos.

 

40 novos multimilionários

 

Segundo o relatório da ONG, a cada 26 horas surge um novo multimilionário e, entre esses, “40 devem sua fortuna à covid-19, já que obtiveram lucros de milhares de milhões graças às vacinas, tratamentos, testes e equipamentos de proteção individual (EPI)”.

Por isso, destacou que durante a pandemia os 10 homens mais ricos do mundo duplicaram suas fortunas, que aumentaram a um ritmo de 1,3 bilhão de dólares estadunidenses por dia, ou 15.000 dólares por segundo.

“Após dois anos, todos nós desejamos que a pandemia termine, mas a classe política dos países ricos está se aproveitando do cansaço geral para ignorar o impacto devastador da covid-19, que continua hoje”, alertou o responsável pela Cooperação Internacional da Oxfam Intermón, Ignacio Martínez.

“Os países ricos fracassaram na mobilização mundial das vacinas devido ao seu nacionalismo, ganância e interesse próprio. A sugestão de que estamos entrando em uma era pós-covid ignora a persistência das mortes, principalmente em países de baixa renda, que poderiam ser evitadas com as vacinas”, acrescentou.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O número de mortes por covid-19 é quatro vezes maior nos países pobres - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV