Síntese global. Artigo de Paolo Benanti

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A fantasia de Deus. Leonardo Boff e o Espírito Santo

    LER MAIS
  • A crise energética, a escolha europeia, e a “reviravolta russa”. Artigo de José Luís Fiori

    LER MAIS
  • As feridas cada vez mais abertas. As acusações da Unicef e da Oxfam

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Mai 2021

 

"Não fazemos apenas coisas sintéticas; a vida também parece ter se tornado algo à disposição da técnica e, com esta, realizável de forma sintética e sinteticamente moldável para obter as propriedades ou as quantidades desejadas". A opinião é de Paolo Benanti, teólogo e frei franciscano da Terceira Ordem Regular, professor da Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, e acadêmico da Pontifícia Academia para a Vida.

O artigo foi publicado em seu blog pessoal, 10-05-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Eis o artigo.

 

Talvez o aspartame seja o elemento sintético que mais bem representa o processo histórico-tecnológico do sintético. O aspartame é o alimento sintético necessário para um Ocidente que fez da superprodução e do hiperconsumo a sua figura distintiva desde o pós-guerra. Só o aspartame pode permitir que continuemos saboreando o doce que satisfaz a nossa oralidade e, ao mesmo tempo, exclui o “excesso” ligado à assimilação de calorias que o açúcar tradicional traz consigo.

Em outras palavras, o Ocidente começou a consumir aspartame para poder continuar consumindo quantidades cada vez maiores de alimentos que, pouco a pouco, se tornaram um produto industrial e sintético.

Este processo de síntese vive agora uma etapa posterior e talvez definitiva: a síntese alcança a vida.

No dia 5 de agosto de 2013, mais de 200 jornalistas lotaram o Riverside Studios, em Londres. A multidão, semelhante à que se reúne para a apresentação dos smartphones ou computadores mais recentes das principais marcas internacionais, não estava à espera de um conglomerado prodigioso de silício e vidro, mas sim de um sanduíche: um hambúrguer, para ser mais preciso, não menos surpreendente do ponto de vista tecnológico.

Durante a apresentação à imprensa, os dois degustadores contaram que, apesar de ser um pouco menos saboroso do que um hambúrguer tradicional – algo, aliás, incidental e superável – o produto artificial era totalmente igual aos hambúrgueres tradicionais.

A imprensa respondeu dando uma enorme ênfase no fato e cunhou uma série de epítetos para esse novo hambúrguer: de proveta, de laboratório, cultivado, in vitro, prova de princípio, sem crueldade e até mesmo o fantasioso e evocativo Frankenburger.

Com o desenvolvimento das carnes sintéticas, encontramo-nos no limiar da nossa contemporaneidade: a realidade sintética agora se mostra em toda a sua difusa natureza problemática. Não fazemos apenas coisas sintéticas; a vida também parece ter se tornado algo à disposição da técnica e, com esta, realizável de forma sintética e sinteticamente moldável para obter as propriedades ou as quantidades desejadas.

A última fronteira do sintético é nossa própria constituição humana. Em uma próxima ocasião, tentaremos aprofundar justamente esta última fronteira da realidade sintética: realizar o ser humano sintético.

 

Escute abaixo, em italiano, o podcast de Benanti sobre este texto:

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Síntese global. Artigo de Paolo Benanti - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV