Igreja e homossexualidade

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Novembro 2020

"Alguém pode objetar que a Bíblia condena a homossexualidade. Ora, ela foi escrita em um contexto machista e patriarcal. Por que tanta insistência dos conservadores em destacar os únicos versículos de suposta condenação da homossexualidade (Gênesis 19,1-28; Levítico 18,22 e 20,13; Romanos 1,27) e fechar os olhos a tantas outras condenações?", escreve Frei Betto, frade dominicano, escritor, assessor da FAO e de movimentos sociais e autor de “Sexo, orientação sexual e ‘ideologia de gênero’”, entre outros livros.

Eis o artigo.

Todos nós, batizados na Igreja Católica, sabemos que, durante séculos, os fiéis foram induzidos a obedecer, não a pensar. Autoridade e verdade coincidiam... Mas desde o Concílio Vaticano II, na década de 1960, a Igreja (e não necessariamente bispos e padres) passou a respeitar a autonomia da razão e das ciências. Muitos temas-tabus, que perduraram séculos na Igreja, foram derrubados com o tempo. Ainda peguei o tempo da missa em latim, puro ato de fé, já que eu não entendia nada do que o padre rezava. E, ainda hoje, a doutrina oficial católica estabelece que, no matrimônio, o casal só pode ter relações sexuais se houver intenção de procriar. Meu professor de teologia moral comentava que isso não é bem um princípio teológico, e sim zoológico... Todas as pesquisas demonstram que nem 10% dos fiéis respeitam esse preceito, mesmo entre casais conservadores.

Já o tema da homossexualidade prossegue como tabu. Prova disso é a polêmica suscitada em torno da notícia de que o papa Francisco admite a união civil de casais homoafetivos. Foi o que ele declarou quando cardeal em Buenos Aires, em 2010, e em entrevistas concedidas em 2014 e 2017. Porém, a repercussão veio somente agora, por conta de um documentário sobre o seu pontificado. A poeira que a declaração levantou fez com que, na semana seguinte, o Vaticano declarasse que não foi bem isso que o papa afirmou no filme, que teria sido equivocadamente editado etc etc.

Ora, todos sabem que papas são prisioneiros do Vaticano e, embora sejam monarcas absolutos, a Cúria Romana trata de controlá-los o mais possível, por considerar a defesa da instituição mais importante que a liberdade dos filhos e filhas de Deus.

No livro “As bodas das semelhanças”, John Boswell demonstra que o matrimônio homossexual, admitido na Igreja entre os séculos VI e XIII, era oficiado por sacerdotes e tinha a mesma validade do matrimônio heterossexual.

A partir do século XIV, a homossexualidade passou a ser um tabu moral, “pecado inominável”, “amor que não se atreve a dizer o nome”. A relação homossexual chegou a ser considerada mais perversa que assassinato, incesto e canibalismo.

Antes do ano 1000, não havia propriamente casamento religioso. Os noivos se declaravam marido e mulher diante da comunidade de fé e de Deus. Ainda hoje a doutrina da Igreja diz que eles são os ministros do sacramento do matrimônio, ao contrário do que muitos julgam, por atribuírem o protagonismo ao sacerdote. A bênção do padre é apenas um arremate à união do casal.

Na Idade Média, o amor não era o principal motivo da união de duas pessoas, embora pudesse existir, tanto que se aceitava o concubinato e era frequente o divórcio. Somente no IV Concílio de Latrão, em 1215, é que a Igreja assumiu o matrimônio como sacramento e passou a estabelecer regras canônicas à sua celebração.

Em antigos manuscritos litúrgicos gregos se encontram registros de matrimônios de casais homoafetivos na Itália, na ilha de Patmos e no mosteiro de Santa Catarina no Monte Sinai.

Na clássica obra de Boswell, 114 páginas reproduzem dezoito textos que comprovam a celebração do matrimônio entre pessoas do mesmo sexo: modo de receber o sacerdote; posicionamento do casal; leituras e orações; hinos e salmos prescritos etc.

Alguém pode objetar que a Bíblia condena a homossexualidade. Ora, ela foi escrita em um contexto machista e patriarcal. Por que tanta insistência dos conservadores em destacar os únicos versículos de suposta condenação da homossexualidade (Gênesis 19,1-28; Levítico 18,22 e 20,13; Romanos 1,27) e fechar os olhos a tantas outras condenações?

Vejamos: Êxodo permite que um pai venda a filha como escrava (21,7) e prevê pena de morte para quem trabalhar no sábado (35,2). Levítico proíbe que se toque em uma mulher em seu período de “impureza” menstrual (15,19-24). E admite que se escravizem estrangeiros (25,44). Para o Levítico, comer mariscos é uma abominação (11,10) e proíbe de se aproximar do altar quem tem defeito na vista (21,20). Será que, hoje, não incorremos em ofensa a Deus por não respeitar tais preceitos bíblicos?

Não há base científica, ética ou teológica para afirmar que a essência da sexualidade humana é unicamente heterossexual. O matrimônio heterossexual não é, historicamente, o único existente, e não se deve erigi-lo em modelo único e obrigatório para todos.

Do ponto de vista ético, a sexualidade humana, seja ela hétero ou homossexual, não pode ser definida em função da procriação, e sim do amor que une duas pessoas que decidem ter um projeto de vida em comum, no qual se inclui ou não a procriação. Como afirma a Primeira Carta de João (4,7-8), “Todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece a Deus... porque Deus é amor.”

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja e homossexualidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV