Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

Mais Lidos

  • O Papa Francisco: as religiões trabalhem juntas pela paz e pelo clima

    LER MAIS
  • Guatemala. O Governo queixa-se ao Vaticano e a prisão do cardeal Ramazzini não está descartada

    LER MAIS
  • Passagem de Lula na COP28 evidencia que petróleo ainda é prioridade brasileira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

19 Outubro 2019

No ato, presidido por Erwin Kräutler, participarão várias dezenas dos participantes no Sínodo, e assinarão um “Pacto pela Amazônia”.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 18-10-2019. A tradução é Wagner Fernandes de Azevedo.

Em 16 de novembro de 1965, vários bispos latino-americanos, presentes no Concílio Vaticano II consagraram nas catacumbas de Santa Domitila, e subscreveram o chamado “Pacto das Catacumbas”, um dos marcos históricos da Igreja contemporânea, na qual se comprometiam a ser e a viver com os pobres. O pacto, considerado um dos antecedentes da Teologia da Libertação, terá um segundo capítulo 54 anos depois, em razão do Sínodo da Amazônia.

Segundo foi possível confirmar ao Religión Digital, neste domingo, a partir das sete da manhã, vários participantes do Sínodo da Amazônia atualizarão tal Pacto, com a assinatura de um “Pacto pela Amazônia”. Em um ato presidido por Erwin Kräutler, bispo emérito do Xingu, assinará um documento que apontará “um compromisso com a Amazônia e seus povos”, que será histórico, uma semana antes do encerramento do encontro.

O “Pacto da Amazônia” incluirá uma cerrada defesa do cuidado da natureza e seus povos originários frente à prepotência de latifundiários e governos opressores, e reivindicará a aprovação dos “viri probati” na Amazônia, e o diaconato feminino, assim como o reconhecimento do “rito amazônico”, teses propostas por uma clara maioria dos padres sinodais ao longo dessas semanas.

A criação de uma Região Eclesiástica Amazônica é outra das aspirações dos bispos deste canto do planeta, que o Papa está disposto a acolher.


Catacumba de Santa Domitila, onde foi assinado o Pacto das Catacumbas, em 1965. Foto: Religión Digital

A escolha de Santa Domitila não é banal. Já em 1965, o Pacto das Catacumbas – proposto, entre outros, por Hélder Câmara, um dos mitos do Episcopado latino-americano – impôs um antes e um depois na busca de uma Igreja pobre e para os pobres, centrada no Evangelho de Jesus e menos no frio Direito Canônico. Com Francisco em Roma, ademais, tudo parece possível.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU