As armadilhas de Damares

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco e a guerra russa contra a Ucrânia: os caminhos políticos, diplomáticos e eclesiais da Santa Sé. Entrevista com Marco Politi

    LER MAIS
  • O Brasil rumo às eleições

    LER MAIS
  • “Os cardeais eleitores terão que reinventar o perfil do futuro papa. Mas uma única pessoa não conseguirá mudar a Igreja.” Entrevista com Marco Politi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Março 2019

Damares Alves está comemorando o mês da mulher em grande estilo. Ontem, o ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos promoveu em Brasília o evento 'O protagonismo da mulher jovem no Brasil', com um painel sobre 'As armadilhas do feminismo'.

A informação é de Outra Saúde, 28-03-2019.

Para palestrar, Ana Caroline Campagnolo: aquela jovem professora e agora deputada do PSL que se criou em cima de polêmicas do tipo viralizar em foto com cara fofa e arma na mão, fazer projeto de lei prevendo que alunos gravassem professores etc. Seguidora de Olavo de Carvalho, a deputada tem um livro (sim) chamado 'Feminismo: perversão e subversão', em que "revê a trajetória do feminismo, confrontando as alegadas motivações e supostas conquistas do movimento com suas reais conseqüências na história cultural do Ocidente e, em especial, do Brasil".

A jornalista Anna Virginia Balloussier, da Folha, esteve lá conta como foi. Haja ânimo

Ana Carolina defendeu aquela coisa de rosa versus azul, porque afinal "meninas têm certas preferências e tendências"; disse que algumas gritas feministas, como no combate à violência, são exageradas, porque "a maior parte das mulheres não sofrerá estupro ou agressão física" ao longo da vida; e que "o privilégio de ser mulher" não é uma invenção cultural.

Sobre a filósofa Judith Butler, referência nos estudos de gênero, a crítica da palestrante se voltou à sua aparência. Afinal, de cabelos curtos, "ela perdeu nela mesmo todas as feições femininas".

A painelista disse ainda que o livro mais famoso de Beauvoir acerta numa coisa: mulheres são o segundo sexo, porque a Bíblia mesmo explica que primeiro Deus criou o homem. Ah, ela também falou sobre o que considera uma injustiça para com os homens: há muitos livros dedicados ao prazer sexual feminino e, para o masculino, pouquíssimos. Antes de começar o vento, Balloussier perguntou a Damares sobre 1964: se achava que tinha havido golpe ou revolução. A ministra não respondeu, mas lhe entregou uma flor.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As armadilhas de Damares - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV