A inédita carícia do presidente francês no papa

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Depois da cristandade. O catolicismo em um futuro mais secular

    LER MAIS
  • Das cinzas da hiperglobalização pode surgir uma globalização melhor. Artigo de Dani Rodrik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Junho 2018

Foi um gesto inesperado, inédito e, de certa forma, sem precedentes, se pensarmos que quem o fez não foi um chefe de Estado qualquer, mas sim o presidente da República da França, o berço da “laicité”, a pátria da Revolução.

A reportagem é de Andrea Tornielli, publicada em La Stampa, 27-06-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Emmanuel Macron, que há poucos dias havia repreendido duramente um menino que se tinha dirigido a ele chamando-o com o diminutivo de Manu em vez de usar “senhor presidente”, ao término da audiência com Francisco, quebrando todo e qualquer protocolo, apoiou sua mão esquerda no ombro direito do pontífice, depois o acariciou e o beijou na bochecha.

O abraço entre o papa e o presidente da França (Foto: La Stampa)

Uma despedida de amigos de toda a vida, mesmo que quem agiu assim foi um chefe do Palácio do Eliseu que se encontrava pela primeira vez face a face com o bispo de Roma.

Macron gosta de manifestar seu afeto de modo “tátil”, explicam os observadores das coisas francesas, mas, nessa terça-feira, 26, no Vaticano, ele realmente surpreendeu a todos. Photo opportunity, impulso espontâneo ou conversão na estrada para Damasco? Veremos no futuro próximo.

O certo é que Paris e Vaticano voltaram a se falar. O encontro no Vaticano durou um tempo muito longo para os padrões vaticanos, nada menos do que 57 minutos, quase o dobro do tempo estimado, mais do que o tempo dedicado às audiências com Barack Obama, Donald Trump, Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan.

Depois dos anos de gelo com o socialista François Hollande e o braço de ferro que havia contraposto o Papa Bergoglio ao inquilino do Palácio do Eliseu em 2015 por causa da nomeação de um novo embaixador junto à Santa Sé que não agradou ao Vaticano, reabre-se, portanto, um canal de comunicação direta.

Macron fez de tudo para solenizar o encontro e para reiterar sua vontade de consolidar as relações entre a França e a Santa Sé, depois das aberturas de crédito manifestadas publicamente por ele, recentemente, aos bispos franceses.

E, se na chegada ele estava bastante tenso e enrijecido, no fim da conversa, ele parecia outra pessoa. Tão amigo e “solto” a ponto de abraçar Bergoglio, derrubando, diante do olho das câmeras, tabus seculares para um país arauto da laicidade.

O degelo ocorreu de maneira flagrante, e agora o presidente francês pretende “aprofundar as relações de amizade, compreensão e confiança que tem com a Santa Sé”, como ele mesmo assegurou a Francisco durante o diálogo a portas fechadas.

Falou-se sobre a contribuição da Igreja para “a promoção do bem comum” na França, a proteção do ambiente, as migrações e o compromisso com a prevenção e a resolução dos conflitos, da África e do Oriente Médio. E também se refletiu “sobre as perspectivas do projeto europeu” neste momento de crise. “Aproximamo-nos um ao outro com lucidez”, contou Macron, dizendo esperar que as relações com a Santa Sé “se desenvolvam ainda mais”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A inédita carícia do presidente francês no papa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV