''A atenção deve estar no paciente.'' Entrevista com Adriano Pessina

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A arte da leitura. Artigo de Enzo Bianchi

    LER MAIS
  • Maria Madalena era realmente de Magdala? Duas pesquisadoras investigam isso

    LER MAIS
  • Os verbos transitivos. Artigo de Gianfranco Ravasi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Novembro 2017

“A evolução do papa é a de superar a gramática do cuidado feita de consensos, protocolos, linhas, e de colocar a atenção na relação médico-paciente.”

Adriano Pessina é professor de filosofia moral e diretor do Centro de Bioética da Universidade Católica de Milão.

A reportagem é de Salvatore Cernuzio, publicada no jornal La Stampa, 17-11-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Professor, as palavras do papa marcam um passo à frente na questão do fim da vida?

Parece-me que o papa remete à semântica do cuidado, levando em consideração o duplo aspecto da competência clínica do médico e a tese da proporcionalidade dos tratamentos. Um lembrete importante, considerando-se que, muitas vezes, a medicina é o triunfo da impessoalidade. No sentido de que é a medicina do órgão, nem sempre atenta à pessoa e à sua vivência. A evolução do papa é a de superar a gramática do cuidado feita de consensos, protocolos, linhas, e de colocar a atenção na relação médico-paciente.

Mas, então, não há uma reviravolta?

Quem diz isso nunca leu os documentos da Igreja: Francisco consolida uma abordagem já conhecida. Por outro lado, acredito que se quer instrumentalizar as palavras do papa para puxar água para o próprio moinho. O que eu vejo de novo é uma grande carga humana. Mas, acima de tudo, o papa relança a questão do acesso aos tratamentos. Em uma época de opulência tecnológica, o ponto parece ser apenas se é necessário suspendê-los, quando, em diversas partes do mundo, não se consegue sequer oferecê-los.

É clara a distinção de Bergoglio com a prática da eutanásia definida como “sempre ilícita”...

É ilícita porque a morte é um fato e não constitui um direito, e o acompanhamento ao moribundo é um dever social. Um Estado não pode administrar a morte a um cidadão seu, nem permitir que isso seja feito. É um caminho que não devemos abrir, nem mesmo em um contexto liberal.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''A atenção deve estar no paciente.'' Entrevista com Adriano Pessina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV