Chile: peritos concluem que Neruda não morreu de câncer

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Movimento dos Focolares à prova

    LER MAIS
  • “Sendo 1% da população, os indígenas são a ponta de lança na resistência a Bolsonaro.” Entrevista com Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • O desafio do pós-teísmo. Artigo de Paolo Gamberini

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Lara Ely | 25 Outubro 2017

Um grupo de especialistas internacionais convocados pela Justiça chilena concluiu, na semana passada, que o poeta e prêmio Nobel de Literatura Pablo Neruda não morreu devido a um câncer, como consta em sua certidão de óbito, pouco depois do golpe militar de 1973. O Nobel de Literatura morreu em uma clínica da capital chilena em 23 de setembro de 1973, 12 dias depois do golpe de estado de Augusto Pinochet.

Segundo a versão oficial, o escritor e político comunista morreu devido ao agravamento do câncer de próstata que sofria quando tudo estava pronto para facilitar sua saída ao exílio no México. "É 100% certo que a certidão de óbito não reflete a realidade do falecimento", afirmou o médico Aurelio Luna em coletiva de imprensa.

Um simpósio com especialistas do Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, Espanha e Chile buscou confirmar ou excluir a hipótese de que existiu uma intoxicação voluntária e deliberada para matar o autor mediante a administração de germes ou toxinas bacterianas, explicaram os peritos na abertura do painel.

Apesar das dúvidas geradas por sua morte repentina, foi necessário esperar quatro décadas para que a versão do assassinato ganhasse força. Isso aconteceu em 2011, com a publicação de declarações do motorista e assistente pessoal de Neruda, Manuel Araya, que afirmou que o poeta piorou depois que lhe aplicaram uma injeção no abdome.

O juiz do caso, Mario Carroza, que recebeu na última sexta-feira, 20-10-17, o relatório dos peritos, é o encarregado de avaliar os passos a serem seguidos na investigação. Ele ordenou em abril de 2013 uma nova exumação do corpo do escritor, para elucidar se o regime de Pinochet, que provocou mais de 3.200 mortes, eliminou também a vida do escritor.

Reportagem publicada anteriormente no sitio IHU On-Line faz uma analogia entre a morte do ex-presidente brasileiro João Goulart e a do poeta chileno, investigando como os fatos foram compreendidos em meio a um cenário de ditadura e repressão militar. O texto traz o seguinte questionamento:

“A Operação Condor envenenou João Goulart e Pablo Neruda? Faltam informações para responder de forma categórica a essa pergunta, que praticamente ninguém se fazia há 10 anos, mas que começou a ganhar consistência com a exumação do corpo do poeta chileno há dois meses e a exumação que se realizará proximamente dos restos do ex-presidente brasileiro, falecido na Argentina quando estava na mira das ditaduras de Jorge Videla e de seus colegas, Ernesto Geisel, no Brasil, e Aparicio Méndez, no Uruguai, mancomunados na rede terrorista Condor.

O outrora inodoro e invisível rastro das armas químicas que teriam sido empregadas para eliminar o inimigo dos regimes de fato, agora começa a ganhar “alguma forma, ainda meio nebulosa, mas que nós vamos investigar a fundo”, declarou Nadine Borges, integrante da Comissão da Verdade, criada pela presidente Dilma Rousseff, que tem entre as suas prioridades esclarecer como morreu e, eventualmente, quem matou Goulart.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chile: peritos concluem que Neruda não morreu de câncer - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV