Testemunho de Wittenberg. Um sinal de unidade em um mundo dividido

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Julho 2017

O mundo reformado assinou nessa quarta-feira, 5, em Wittenberg, Alemanha, dois importantes documentos que continuam o caminho rumo à unidade dos cristãos.

A reportagem é de Claudio Geymonat, publicada por Riforma, 05-07-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Na manhã dessa quarta-feira, durante um culto ecumênico que ocorreu na Stadtkirche de Wittenberg, a Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) e a Federação Luterana Mundial (FLM) assinaram o “Testemunho de Wittenberg”, uma declaração comum que pede que as partes continuem na estrada da cooperação comum, do diálogo.

Quem assinou o texto em nome das 145 Igrejas-membro da FLM foi o secretário-geral, Martin Junge, enquanto que, em nome das 233 Igrejas que fazem parte da Comunhão Reformada, quem assinou foi o secretário-geral, Chris Ferguson.

“Aproximamo-nos desse importante aniversário da Reforma na perspectiva da unidade do corpo de Cristo, um dom de Deus”, declarou o pastor Junge. “Isso significa que temos bem clara a responsabilidade do diálogo e do encontro. O texto que assinamos hoje testemunha isso.”

“O ‘Testemunho de Wittenberg’ se baseia em décadas de diálogo teológico e em passos dados pelas Igrejas-membro umas em relação às outras em todo o mundo”, repercutiu o pastor Ferguson. “Portanto, ele apresenta a gratidão pela unidade que as Igrejas já têm em Cristo, celebra aquilo que elas têm em comum, reconhece e lamenta as questões que ainda dividem e, enfim, expressa o chamado comum das Igrejas a testemunhar no mundo. Ele requer uma imaginação renovada do que significa ser Igrejas em comunhão no nosso tempo. Precisamos de criatividade para sonhar um mundo diferente, onde prevaleçam a justiça, a paz e a reconciliação.”

Durante a mesma cerimônia, a Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas também assinou um acordo de associação à “Declaração Conjunta Católico-Luterana sobre a Doutrina da Justificação” de 1999. Na presença também dos outros signatários do texto, a Igreja Católica, representada pelo secretário da Pontifício Conselho para a Unidade dos Cristãos, o bispo Brian Farrell, e o Conselho Metodista Mundial, que, por sua vez, ratificou o texto em 2006, representado pelo secretário-geral, o bispo Ivan Abrahams, os reformadores, assim, aderiram, trazendo as suas ênfases e atenções específicas, particularmente sobre a relação integral entre justificação e justiça.

“Comprometemo-nos a lutar juntos para aprofundar a compreensão comum da justificação no estudo teológico, no ensinamento e na pregação”, afirma o texto. “A presente conquista e o atual compromisso são acompanhados por católicos, luteranos, metodistas e reformados como parte da sua busca pela plena comunhão e testemunho comum ao mundo, que é a vontade de Cristo para todos os cristãos e cristãs.”

A íntegra do texto do “Testemunho de Wittenberg” está disponível aqui, em inglês, francês, alemão e espanhol.

Já o texto da adesão reformada à “Declaração Conjunta Católico-Luterana sobre a Doutrina da Justificação” está disponível aqui, em inglês, francês, alemão e espanhol.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Testemunho de Wittenberg. Um sinal de unidade em um mundo dividido - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV