Bergoglio às Pias Discípulas do Divino Mestre: não se resignem diante da diminuição das vocações

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Para ser ouvida, a Igreja precisa mudar de método. Entrevista com Jean-Claude Hollerich, relator do próximo Sínodo

    LER MAIS
  • Impulso feminino no neofascismo cristão de Bolsonaro: quatro cenas recentes de início do ano eleitoral

    LER MAIS
  • A Europa e a guerra da Ucrânia. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Mai 2017

Às Pias Discípulas do Divino Mestre Francisco aconselha a não se unirem aos “profetas da desgraça que tanto mal fazem à Igreja”; temos necessidade de uma alegria sem maquiagens.

A reportagem é de Iacopo Scaramuzzi e publicada por Vatican Insider, 22-05-2017. A tradução é de André Langer.

A alegria (uma “alegria verdadeira, não maquiada”) deve ser o centro da vida religiosa. A afirmação é do Papa e foi feita durante a audiência, nesta segunda-feira pela manhã, em recebeu as Pias Discípulas do Divino Mestre, reunidas em Capítulo Geral, às quais pediu para não se unirem aos “profetas da desgraça que tanto mal fazem à Igreja” e para que não caiam nessa resignação que vem quando “o diabo” diz “não temos vocações”: “Despertem o mundo, iluminem o futuro, sempre com o sorriso, com a alegria, com a esperança”.

“Como consagradas, vivam em primeiro lugar a profecia da alegria”, disse o Papa em seu discurso: “Em primeiro lugar, a alegria do Evangelho é uma profecia e o mundo, hoje, tem necessidade disso”. A alegria “é uma bela realidade na vida de muitos consagrados, mas também é um grande desafio para todos nós. Uma série triste é uma triste série! E a alegria autêntica, não auto-referencial ou auto-comprazida, é o testemunho mais crível de uma vida plena, não uma alegria maquiada... Não maquiem a alegria! Ao mesmo tempo, esta alegria que enche seus corações e se manifesta em seus rostos as guiará a sair para as periferias participando da alegria da Igreja que é a evangelização, convencidas de que Jesus é a boa notícia, é alegria para todos. Esta alegria afasta de nós o câncer da resignação, fruto da preguiça que torna árida a alma. Irmãs resignadas não, por favor. O diabo dirá: ‘mas somos poucas, não temos vocações...’. E assim se alonga a cara e se perde a alegria e acabamos nessa resignação: não, não se pode acabar assim, a esperança de Jesus Cristo é alegria”.

Segundo o Papa, além disso, os religiosos devem ser “profetas da esperança”: “Com esta confiança e esta fortaleza, repito-lhes: não se unam aos profetas da desgraça, por favor, que tanto mal fazem à Igreja e à vida consagrada; não cedam à tentação da sonolência (como os apóstolos no Getsêmani) nem do desespero. Reforcem sua vocação de ‘sentinelas da manhã’ para poder anunciar aos outros a chegada da aurora. Despertem o mundo, iluminem o futuro, sempre com o sorriso, com a alegria, com a esperança”.

O Papa, que pela manhã recebeu o decano do Colégio Cardinalício, Angelo Sodano, e os bispos da Guatemala, começou seu discurso pedindo perdão por seu atraso: “A que horas chegaram? Eu tinha um encontro com os bispos da Guatemala. Estes encontros se alongam, se alongam... e depois – acrescentou entre risos às religiosas – são as irmãs que pagam a fatura”. A superiora da congregação recordou a origem que une as Pias Discípulas do Divino Mestre e o Papa Bergoglio, fazendo uma brincadeira com a metáfora evangélica do vinho novo em odres velhos: “De origem piemontesa não podia vir senão vinho novo”.

À Congregação fundada pelo Padre Tiago Alberione, que fundou também os irmãos e irmãs da família Paulina, o Papa recomendou “ouvir”, porque “um dos apostolados importantes de hoje é o apostolado do ouvido”. “É necessário – acrescentou – manter um clima de discernimento para reconhecer o que pertence ao Espírito e o que é contrário a Ele”, evitando ser vítimas “da cultura do zapping e, às vezes, de uma cultura de morte”, que na sociedade atual apresenta todas as propostas como “válidas e boas”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bergoglio às Pias Discípulas do Divino Mestre: não se resignem diante da diminuição das vocações - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV