Comissão da Câmara pede lista de empresas que atuam em áreas de conflitos rurais

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A sombra tenebrosa do bolsonarismo. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Uma contribuição para uma teologia do sacerdócio a partir da tradição afonsina

    LER MAIS
  • A metáfora empregada pelo professor Anselm Jappe, no Ciclo de Estudos Decálogo do Fim do Mundo, evidencia a sanha destruidora de uma sociedade capitalista que pode sentenciar seu próprio fim

    “Estamos num barco sem combustível e arrancando madeiras do casco para alimentar as caldeiras”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Agosto 2016

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara solicitou à Polícia Federal a lista de empresas de segurança em atuação em áreas de conflitos rurais. Em sessão na manhã de hoje, os parlamentares decidiram também encaminhar requerimentos aos Conselhos Nacional de Justiça e do Ministério Público para cobrar explicações sobre sentenças e ações favoráveis a grileiros de terras da União.

A reportagem foi publicada por O Estado de S. Paulo, 02-08-2016.

O encontro da comissão foi motivado pela série de reportagens “Terra Bruta”, sobre a violência no campo, publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo entre os dias 10 e 17 de julho. Um dos autores dos requerimentos, o deputado Patrus Ananias (PT-MG) afirmou que é preciso um debate com o Judiciário e o Ministério Público na busca de medidas eficazes para impedir assassinatos de índios e camponeses. “Esse é o maior desafio do Brasil a curto prazo”, disse.

Durante a sessão, parlamentares e convidados discutiram a criminalização de movimentos sociais. Lideranças de pequenos agricultores reclamaram que a Justiça tem recorrido às novas leis da organização criminosa e do antiterrorismo para reprimir grupos sem terra. “É preciso respeitar os movimentos sociais. Quando se criminaliza, cria-se uma ordem jurídica estanque, que não abre possibilidades para novos valores da sociedade e impede uma Justiça mais eficiente”, afirmou Patrus Ananias.

Foram relatados os casos de quatro representantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) de Goiás presos a pedido do Ministério Público e por ordem da Justiça. Valdir Misnerovicz, Natalino de Jesus, Diessyka Santana e Luiz Batista Borges tiveram a prisão pedida pela Comarca de Santa Helena de Goiás. Misnerovicz, hoje em prisão de segurança máxima em Aparecida de Goiânia, atuava na intermediação de conflitos, integrando inclusive um comitê formado pelo governo estadual para evitar violência no campo.

Participaram da sessão o procurador federal João Akira Omoto, os representantes da Comissão Pastoral da Terra (CPT) Afonso Maria das Chagas, Jean Ann Bellini e João Cruz, as lideranças do Movimento dos Sem-Terra Rudmar Moeses, Simone Leurie e Luiz Zarref, o presidente do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), Cleber César Buzatto e o ouvidor agrário nacional Gercino José da Silva. Também participaram do encontro os jornalistas André Borges e Leonencio Nossa, autores do especial “Terra Bruta”.

Um levantamento feito pela reportagem indicou que pelo menos 1.309 pessoas foram assassinadas nos últimos 20 anos em situações ligadas a conflitos por terra e exploração ilegal de madeira. Foram apresentados 482 focos ativos de tensão e violência em 143 municípios dos Estados de Mato Grosso, Amazonas, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia e Tocantins. A conflagração da violência ocorre nessas áreas do sob incentivo dos últimos governos e do Judiciário. A lista de mortos é composta em sua maioria por pequenos agricultores e índios, além fazendeiros, seguranças e pistoleiros. Grileiros e grandes proprietários de terra estão, geralmente, por trás dos crimes. O levantamento mostra que 97% das mortes são de camponeses e índios.

A reportagem apresentou casos de milícias armadas, incineração de corpos, onda de suicídios de índios, ataques a aldeias, fraudes em licenças de manejo florestal e chuva de veneno em assentamentos rurais. O trabalho jornalístico durou sete meses, entre setembro de 2015 e março de 2016.

Confira a íntegra da reportagem, com textos, vídeos, infográficos e galerias de fotos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Comissão da Câmara pede lista de empresas que atuam em áreas de conflitos rurais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV