Consultor do Vaticano desmentiu corrupção na Scholas

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A geração Z é a geração ‘do Fim do Mundo’. Entrevista com Carlos Tutivén Román

    LER MAIS
  • Evolução do episcopado e mudança do magistério. Artigo de Severino Dianich

    LER MAIS
  • “A Renda Básica não é em si uma proposta antitrabalho”. Entrevista com Alberto Tena

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 06 Julho 2016

Liderança da Confederação de Trabalhadores da Economia Popular (CTEP) e consultor do Vaticano, Juan Grabois, telefonou ao programa de Jorge Lanata na Rádio Mitre para refutar o relatório emitido no Canal 13 pelo próprio apresentador, que lançava suspeitas sobre o Papa Francisco e inferia malversação de dinheiro na construção de obras com recursos do Ministério do Interior.

A reportagem é publicada por El Diario 24.com, 05-07-2016. A tradução é de André Langer.

“Não sei de onde tiraram a informação de que não foi prestado contas”, questionou Grabois ao jornalista e esclareceu que “as prestações de conta foram apresentadas há muito tempo”. “Está bem, vamos esclarecer isso”, limitou-se a dizer Lanata.

Grabois também exigiu ao vivo que “se houve uma confusão, que seja esclarecida”, após explicar a situação caso por caso de cada uma das obras. “Caso contrário, todos aqueles que têm um compromisso com os humildes estão manchados por uma suspeita de corrupção”, acrescentou.

No programa PPT [Periodismo Para Todos], apresentado pelo próprio Lanata, faz-se a afirmação de que a Confederação de Trabalhadores da Economia Popular recebeu oito milhões de pesos para a construção de cinco sedes e que “cobrou 25% e não rendeu nada”.

Lanata, por sua vez, esclareceu que os dados foram proporcionados ao PPT pela Vialidad Nacional, diante do que Grabois retrucou. “A verdade é que não entendo o que a Vialidad Nacional tem a ver com estas obras, porque são obras que dependem do Ministério do Interior, de (Rogelio) Frigerio”.

Nesse momento saiu em socorro de Lanata outro locutor do programa de rádio, Nicolás Wiñarzi, que tratou de informar a Grabois que, após a dissolução do Ministério do Planejamento, Vialidad Nacional passou a depender da carteira do Ministério do Interior. “Esta parte não foi assumida pela Vialidad, mas pela Secretaria de Habitação, que está a cargo de Domingo Amaya, e ali eles têm a mesma documentação que lhes acabo de enviar, que está com timbre e data de entrada. Ou seja, que a fonte que lhes proporcionou esta informação deu-lhes informação falsa e, além do mais, não era uma fonte que tivesse relação direta com estes convênios”, arrematou o consultor do Vaticano, novamente sem encontrar resposta por parte de Lanata e sua equipe.

“Acreditamos que o dinheiro do Estado é o dinheiro dos humildes e não se deve ser apenas muito eficiente na execução desses recursos, mas também transparente e prestar contas”, disse o advogado Grabois.

A Confederação de Trabalhadores da Economia Popular (CTEP) também publicou em sua página na internet uma matéria sobre a informação veiculada pelo programa do Canal 13 no qual detalhou que “informou-se incorretamente a quantidade de obras, indicou-se falsamente que os convênios tinham sido assinados pelo criminoso José López e afirmou-se erradamente que não se prestou contas relativas à primeira etapa”.

“A verdade sobre estas obras está à disposição de qualquer um e é evidente que a desinformação se deve a um erro da produção ou a uma informação fornecida maliciosamente por algum funcionário. O certo é que de um total de seis obras conveniadas, quatro obras foram terminadas com sucesso e prestado conta da primeira etapa”, explicou a organização. “Estas prestações de conta foram corretamente apresentadas e não foram contestadas pela atual gestão a cargo do ministro Rogelio Frigerio que reconheceu a qualidade do nosso trabalho e garantiu a continuidade de todos os convênios”, acrescentou.

Por outro lado, a CTEP destacou que essa repartição “encontra-se atrasada no pagamento destas e muitas outras obras geridas por cooperativas e organizações sociais, em prejuízo de milhares de trabalhadores da economia popular”.

Nota da IHU On-Line:

A íntegra da entrevista, em espanhol, pode se acessada, clicando aqui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Consultor do Vaticano desmentiu corrupção na Scholas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV