Bispo paraguaio presidiu missa em memória da chacina de Curuguaty

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A síndrome do pensamento acelerado

    LER MAIS
  • “Diáconas para uma Igreja sinodal.” Síntese para o Sínodo sobre a Sinodalidade

    LER MAIS
  • Papa Francisco não é contra ‘novos movimentos eclesiais’, ele apenas favorece alguns em detrimento de outros

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 14 Junho 2016

O bispo paraguaio Mario Melanio Medina celebrou, no domingo 12 de junho, uma missa nas terras de Marina Cué, onde há quatro anos foram massacradas 17 pessoas, 11 camponeses e seis policiais paraguaios, para recordar essa chacina.

A reportagem é publicada por Tierra, 12-06-2016. A tradução é de André Langer.

Durante a cerimônia para evocar a chamada “chacina de Curuguaty”, no Estado de Canindeyú, dom Melanio Medina disse que o governo paraguaio de Horacio Cartes persegue abertamente os pobres, indicou o jornal Última Hora.

A celebração aconteceu nas terras de Marina Cué, onde ocorreu o massacre, em 15 de junho de 2012, após uma tentativa de desapropriação de camponeses que tomaram posse de Marina Cué, no qual perderam a vida 11 trabalhadores e seis policiais.

A fazenda era disputada por camponeses sem terra, que afirmavam que as terras eram do Estado e reclamavam sua posse, e pela empresa Campos Morumbí, do agora ex-senador Blas Riquelme, que se apresentava como proprietário.

Em decorrência dessa chacina, o Congresso abriu um julgamento político contra o então presidente Fernando Lugo, o qual foi acusado de promover as invasões de terras e foi destituído.

“O país foi hipotecado aos grandes do imperialismo e aos empresários. O governo persegue abertamente os pobres”, disse Melanio Medina.

Além disso, afirmou que o presidente Cartes é simpático à Aliança Público-Privada (APP), porque a sua empresa sai beneficiada “e, se o trabalho não der certo, não são eles que pagam a conta, mas o povo”, criticou.

A celebração aconteceu na manhã do último domingo ao pé da cruz principal erguida em memória dos mortos.

Policiais, familiares das vítimas e vários camponeses estiveram presentes, de acordo com reportagem do jornal Última Hora.

Martina Paredes, familiar de uma das vítimas, disse que nesta segunda-feira [13 de junho] apresentarão à Procuradoria Geral da República um pedido de investigação da morte dos 11 camponeses mortos no local, porque até agora só a morte dos policiais foi investigada.

Disse que o juízo oral e público tem que ser anulado, porque existem numerosas contradições e só se imputou os camponeses, e não os policiais, que também tiveram participação.

Os familiares dos trabalhadores também criticaram a família de Blas Riquelme, apontada como usurpadora da terra pública.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispo paraguaio presidiu missa em memória da chacina de Curuguaty - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV