Quatro traços marcantes do novo arcebispo de Brasília

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Junho 2011

Ontem, foi nomeado o novo arcebispo de Brasília. Raimundo Caramuru Barros, descreve os traços característicos do jovem novo arcebispo.

Raimundo Caramuru Barros trabalhou nos quadros da Ação Católica Brasileira e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil; atuou na coordenação do Movimento Internacional da Juventude Agrícola e Rural Católica, quando acompanhou as atividades deste Movimento na Europa, África, América Latina e Canadá; cursou pós-graduação em economia nos Estados Unidos; publicou livros e artigos em periódicos especializados sobre assuntos relativos à atuação da Igreja Católica.

Eis o artigo.

Sendo Brasília a capital de todos os brasileiros é consentâneo que as dezenas de milhões de católicos espalhados em todo o território nacional possam conhecer com mais precisão a personalidade do novo arcebispo, D. Sérgio da Rocha, que o Papa Bento XVI designou para apascentar a porção da Igreja de Deus, situada na Capital da República.

Sua biografia – em vôo rápido - ressalta a seguinte trajetória: nascido em Dobrada (SP) aos 21 de outubro de 1959; ordenado presbítero aos 14 de dezembro de 1984; ordenado bispo aos 11 de agosto de 2001 para servir como bispo auxiliar de Fortaleza (CE); arcebispo coadjutor de Teresina em 31 de janeiro de 2007; 6º arcebispo de Teresina de pleno direito em setembro de 2008; designado arcebispo de Brasília em junho de 2011, tornou-se o 2º caso de um arcebispo de Teresina (1), transferido para o DF. Quatro traços de sua personalidade merecem destaque. 

O primeiro traço diz respeito à sua formação acadêmica, espiritual e pastoral. Em 21 de janeiro de 1997 Dom Sérgio atingiu o ápice de sua vida acadêmica ao concluir o doutorado em Teologia Moral pela Academia Alfonsiana de Roma, vinculada à Faculdade de Teologia da Pontifícia Universidade Lateranense. Esta Academia é a instituição mais renomada em termos de Teologia Moral no seio da Igreja Católica e seu nome é uma homenagem a Santo Afonso Maria de Ligório que além de sua santidade de vida, distinguiu-se por sua contribuição significativa ao desenvolvimento da Teologia Moral.  O objetivo de Santo Afonso era levar o pão da Palavra de Deus às populações pobres. Todo esse conteúdo evangélico, estribado no Amor misericordioso de Deus e no amor ao próximo passou a ser o esteio da Teologia Moral ministrada pela Academia Alfonsiana, onde Dom Sérgio da Rocha concluiu seu doutorado.

O segundo traço é sua larga experiência como educador, na qualidade de diretor espiritual, pároco, e professor, lecionando inclusive Teologia Moral na Pontifícia Universidade Católica de Campinas (SP). Esta experiência como educador foi certamente um dos fatores que o prepararam para a sólida dimensão pastoral que ele foi chamado a desenvolver no exercício do seu múnus episcopal.

O terceiro traço é o testemunho de amor a Deus e amor ao próximo demonstrado no exercício de seu ministério de presbítero e de bispo, e explicitado no lema que inseriu na sua insígnia episcopal: "Omnia in Charitate" (Tudo na Caridade). Dom Sérgio se distingue pela sua abertura em ouvir seus subordinados e pela sua facilidade de diálogo com autoridades civis.

O quarto traço é o excepcional dinamismo que revelou, atuando em diversos níveis, e também em importantes setores e estruturas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, bem como no Conselho Episcopal Latino-Americano – CELAM.  Sua participação abrange as seguintes áreas em nível regional da CNBB: Secretário e também Bispo de referência da Pastoral da Juventude e da Pastoral Vocacional do Regional Nordeste 1 (Ceará); Presidente do Regional Nordeste 4 (Piauí).

Em nível nacional sua participação compreende os seguintes setores e estruturas: Presidente da prestigiosa Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé; membro da Comissão Episcopal do Mutirão de Superação da Miséria e da Fome; membro da Comissão Episcopal para os Ministérios ordenados e a Vida Consagrada; membro do Conselho Permanente da CNBB. No tocante ao CELAM foi Presidente do Departamento de Vocações e Ministérios.

Esses quatro traços que acabam de ser sucintamente mencionados auspiciam que Dom Sérgio da Rocha - com a graça de estado que lhe é conferida pela designação como arcebispo de Brasília - levará esta porção da Igreja situada na Capital da República a superar com sucesso para o Reino de Deus os desafios enfrentados por esta comunidade eclesial nas próximas duas ou três décadas.

Nota:

1.- O primeiro foi D. José Freire Falcão, cardeal-arcebispo emérito de Brasília -DF. (Nota da IHU On-Line).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quatro traços marcantes do novo arcebispo de Brasília - Instituto Humanitas Unisinos - IHU