Sangue não é mercadoria: motivos para dizer não à PEC 10/2022

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Outubro 2023

A Abrasco se posicionou, em nota publicada em seu site, 04-10-2023, contra a PEC 10/2022 e listou os principais motivos para a derrubada do projeto. 

  • 1 - O SUS garante a transfusão de sangue e outros tratamentos de forma gratuita e com muita segurança, tanto para a rede pública quanto para a privada;

  • 2 - A Política Nacional de Sangue, Componentes e Hemoderivados do Brasil é uma referência mundial;

  • 3 - Atualmente, o sangue doado no país atende exclusivamente à população brasileira. Se o serviço é privatizado, o plasma brasileiro vira commodity para o mercado global;
  • 4 - A exportação do sangue desabastecerá os bancos nacionais, deixando a população brasileira mais vulnerável;

  • 5 - A privatização compromete a Hemobrás, estratégica para a autossuficiência na produção de medicamentos no Brasil;

  • 6 - A proposta fere a dignidade humana: parcelas mais vulnerabilizadas da população serão exploradas;

  • 7 - Doação voluntária e altruísta de sangue é consciência cidadã!

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sangue não é mercadoria: motivos para dizer não à PEC 10/2022 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU