Cerrado perdeu área maior do que Salvador em abril; na Amazônia, desmate tem queda

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

09 Mai 2023

Desmatamento no Cerrado foi recorde para o período, com 708 km² de destruição. Queda na Amazônia tem que ser analisada com cuidado, diz Greenpeace.

A reportagem é de Cristiane Prizibisczki, publicada por ((o))eco, 05-05-2023.

O Cerrado perdeu, somente no mês de abril, 708,58 km² de vegetação, área maior do que a capital da Bahia, Salvador (693 km²). A cifra representa um recorde para o mês na série histórica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) que, para o bioma Cerrado, começa em 2019. Os números, referentes ao período entre 1º e 28 de abril, foram atualizados nesta sexta-feira (5) na plataforma Terra Brasilis, do INPE.

No acumulado do ano, somente nos primeiros quatro meses de 2023, o Cerrado já perdeu 2.132 km², área equivalente à cidade de Belém, no Pará. Este também é o maior acumulado para os meses em questão, só perdendo para 2022, quando foram perdidos 1.886 km² entre janeiro e abril.

A Bahia foi o estado que mais perdeu área de Cerrado, com 757,65 km² suprimidos, seguido pelo Maranhão (339,2 km²), Tocantins (324,4 km²), Piauí (275,8 km²) e Mato Grosso (133,5 km²). Os outros oito estados inseridos no bioma somaram 302 km² de desmatamento.

Amazônia

A Amazônia perdeu, em abril, 287,76 km² de florestas. A cifra representa uma queda de 72% em relação ao mesmo mês de 2022, quando foram computados 1.026 km² de desmatamento.

No acumulado do ano, a Amazônia perdeu 1.132 km², uma diminuição de 42% em relação ao primeiro quadrimestre de 2022 (1.968 km²).

Os estados do Amazonas (78 km²), Pará (77km²) e Mato Grosso (73km²) foram aqueles com as maiores áreas de alerta de desmatamento no mês de abril de 2023.

“Depois de dois meses consecutivos de alta nos alertas de desmatamento, essa área de 288 km² é a menor dos últimos três anos (2020). Apesar disso, não significa que o desmatamento esteja mais brando: as áreas de alertas acumuladas continuam muito altas e será necessário ampliar os esforços e trabalhos dos diferentes órgãos de comando e controle para diminuir a destruição da floresta”, disse Cristiane Mazzetti, porta-voz de Amazônia do Greenpeace Brasil.

Apesar da queda registrada agora, o Greenpeace chama atenção para o desmatamento no chamado “calendário oficial do desmatamento”, que vai de agosto de 2022 a julho de 2023. Até abril, foram desmatados 5.936 km², o maior da série histórica para o período (agosto a abril).

“Além do comando e controle no chão da floresta, será necessário promover inovações tecnológicas, legais e infralegais, que possam frear a grilagem de terras, garimpos ilegais, invasão de áreas protegidas, bem como endereçar e punir a co-participação de instituições financeiras no desmatamento”, finaliza Cristiane Mazzetti.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cerrado perdeu área maior do que Salvador em abril; na Amazônia, desmate tem queda - Instituto Humanitas Unisinos - IHU