Com ou sem Bolsonaro, bolsonarismo será competitivo nas eleições de 2026

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • Cúpula vaticana sobre abusos, cinco anos depois. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

22 Março 2023

Evento realizado pela Fundação FHC trouxe dados de pesquisa inédita do economista Maurício Moura sobre a força do bolsonarismo no país após a derrota do ex-presidente em 2022.

As informação são da Assessoria de Imprensa FFHC, 20-03-2023.

A Fundação FHC (FFHC) realizou na última terça-feira, 15 de março, o webinar "O bolsonarismo depois da derrota de Bolsonaro". O debate trouxe dados inéditos de uma pesquisa recém-concluída pelo fundador do Instituto IDEIA, Mauricio Moura, que estarão no livro “Por que Bolsonaro perdeu?”, com lançamento previsto para junho. No evento online, essas informações foram complementadas por descobertas de pesquisas qualitativas conduzidas pela antropóloga Isabela Kalil, que é professora da FESPSP e coordenadora do Núcleo de Etnografia Urbana/Laboratório de Etnografia Digital (NEU/LED) e do Observatório da Extrema Direita (OED Brasil).

Os principais pontos abordados no webinar apontam na direção de que, com ou sem Bolsonaro, o bolsonarismo veio para ficar e será uma força política competitiva nas próximas eleições presidenciais. O presidente Lula, diante deste cenário, deverá enfrentar dificuldades, de acordo com os pesquisadores, para ampliar de maneira expressiva a sua aprovação como governante pela população brasileira – e assim aumentar seu potencial eleitoral nos próximos anos.

O debate também apontou a possibilidade de que o bolsonarismo possa assumir uma roupagem menos radical que a do ex-presidente Bolsonaro e seu núcleo familiar. Em caso de inelegibilidade de Bolsonaro, os governadores Tarcísio de Freitas, de São Paulo, e Romeu Zema, de Minas Gerais, já contam com importante simpatia do eleitorado de direita e despontam como nomes fortes para os próximos pleitos eleitorais.

As seguidas dificuldades e escândalos envolvendo Bolsonaro desde sua derrota – tais como seu afastamento voluntário do país, a depredação das sedes dos Três Poderes, em Brasília, e o mais recente caso das joias sauditas – não trouxeram maiores prejuízos ao bolsonarismo.

Em um cenário de persistente polarização política, teses conspiratórias e mentirosas continuam fortes nas redes sociais dos bolsonaristas e afetam sua interpretação dos fatos. Não há indícios de que essa parcela da população brasileira, já habituada a consumir esses conteúdos, mudará de comportamento no curto prazo.

Para ter acesso integral às informações e assistir ao webinar na íntegra, acesse o link.

Sobre a Fundação FHC - A Fundação Fernando Henrique Cardoso é um think tank brasileiro apartidário e sem fins lucrativos, inaugurado em 2004, que têm um duplo propósito: produzir e disseminar conhecimento sobre os desafios do desenvolvimento e da democracia no país em sua relação com o mundo; e preservar e disponibilizar os arquivos de Ruth e Fernando Henrique Cardoso, além de outros familiares e amigos do casal, contribuindo, assim, com a documentação de parte da história da vida política e intelectual nacional.

Contatos para a Imprensa: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., com Otávio Dias e Benedito Sverberi.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Com ou sem Bolsonaro, bolsonarismo será competitivo nas eleições de 2026 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU