Mudanças climáticas. "Até 800 milhões de trabalhadores em risco até 2050"

Mais Lidos

  • Eucaristia e Casa Comum: entre a vida e o ouro. Artigo de Pe. Dário Bossi

    LER MAIS
  • Para Ailton Krenak, o capitalismo “teve metástase”

    LER MAIS
  • Mataram uns 12 milhões de indígenas, contabiliza Las Casas. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

25 Janeiro 2023

Só uma “transição ativa”, coordenada por instituições locais e supranacionais, pode evitar um impacto tão devastador e criar mais de 300 milhões de novos empregos.

A reportagem é publicada por La Repubblica, 24-01-2023.

Existem 800 milhões de empregos em todo o mundo altamente vulneráveis às mudanças climáticas e seu impacto na economia. É o que revela o relatório da Deloitte "Work Toward net Zero", que estimou as consequências da redução das emissões líquidas globais para "zero" até 2050 nos níveis globais de emprego, caso essa transformação não seja abordada em um mundo preventivo.

Seguindo um caminho virtuoso, o relatório prevê, ao contrário, um crescimento da economia mundial de cerca de 43 bilhões de dólares até 2070, evitando perdas econômicas quatro vezes maiores (cerca de 178 bilhões de dólares) e a criação de mais de 300 milhões de empregos até 2050. De destes 21 milhões na Europa, 26 nas Américas, 75 na África e 180 na Ásia.

“O caminho de transição ativa, se implementado com políticas ambientais adequadas e programas de inovação, representa uma situação ganha-ganha para o clima e para a economia. Por um lado, reduzem-se as emissões globais e mitigam-se os impactos das alterações climáticas e, por outro, criam-se novos setores, novos empregos e novas competências. Se comparada com uma transição passiva, sob uma transição ativa estima-se que só os EUA, China e Índia poderiam gerar respectivamente 5, 38 e 74 milhões de empregos a mais até 2050”, explica Franco Amelio, Líder de Sustentabilidade da Deloitte.

Para evitar passar passivamente pelo processo de transição, o relatório sugere focar na capacitação. “Investir em competências torna-se uma prioridade do negócio. Não será necessária a realização de uma requalificação completa das pessoas, mas a realização de cursos de requalificação do conjunto de competências existentes. Desta forma, os trabalhadores terão a possibilidade de manter seu emprego atual e as empresas poderão se beneficiar de uma força de trabalho pronta para ser direcionada para atingir os objetivos net-zero”, destaca Gianluca Di Cicco, Deloitte Workforce Transformation Leader.

De acordo com o relatório, o caminho da transição ativa forjará uma força de trabalho mais responsável, consciente e ainda mais qualificada, apelidada de “Green Collar”. Este grupo será composto tanto por categorias de ocupação emergentes da nova economia que se beneficiarão significativamente das mudanças globais induzidas pela descarbonização, quanto por tipos de trabalho pertencentes à velha economia que estarão mais expostos a riscos climáticos e ambientais.

O primeiro grupo inclui profissões de alta demanda com o surgimento e expansão de setores de baixa emissão (empregos de demanda crescente); os novos empregos que surgirão durante a transição para a redução das emissões líquidas (novos empregos líquidos zero); ocupações atualmente existentes que, durante o período de transição ecológica, verão uma transformação de suas exigências e métodos de desempenho (empregos transformados).

No segundo grupo, por outro lado, encontramos profissões ligadas a atividades com alta intensidade de emissões que sofrerão uma interrupção temporária ou permanente (empregos intensivos em emissões) e empregos com atividades dependentes do meio ambiente e do clima e que ser influenciado negativamente tanto em termos de trabalho quanto de interrupção de atividades (trabalhos dependentes do clima).

Para garantir que a transição garanta o máximo possível de crescimento econômico, geração de empregos e maior igualdade em um sistema produtivo de baixa emissão, a coordenação de instituições locais e supranacionais também será crucial. “A transição global não será um processo único, mas sim um conjunto de transições locais, cada uma moldada pelas respectivas condições climáticas, pelos riscos associados e pela preparação adequada dos formuladores de políticas. Cada região tem seu próprio e diferente caminho para alcançar emissões líquidas zero até 2050, por isso é crucial determinar como alavancar essa estrutura política com base nas especificidades do contexto e nas habilidades necessárias para liderar a economia em um mundo com emissões zero conclui Amelio e Di Cicco.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudanças climáticas. "Até 800 milhões de trabalhadores em risco até 2050" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU