Promessas corporativas de redução não se traduzem em menos uso de plástico

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A ruptura interna no tecido católico brasileiro. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS
  • “Não é uma guerra entre a Rússia e a Ucrânia, é uma guerra pela reorganização da ordem mundial”. Entrevista com Maurizio Lazzarato

    LER MAIS
  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Novembro 2022

A poluição plástica está sobrecarregando os aterros sanitários, espalhando lixo nas costas da Terra e afetando a saúde dos animais, incluindo humanos, além de contribuir para a degradação ambiental e as mudanças climáticas.

A reportagem é publicada por EcoDebate, 23-11-2022.

À medida que as expectativas públicas para a responsabilidade corporativa crescem e um número crescente de empresas se compromete a reduzir o uso de plástico, os pesquisadores que publicaram na revista One Earth detalham como o foco das maiores e mais poderosas empresas do mundo na reciclagem, em vez da redução do plástico virgem, faz seus compromissos menos significativo.

O estudo se concentrou nas 300 maiores empresas da Fortune 500 e descobriu que 72% se comprometeram a reduzir a poluição por plásticos. “A maioria dos compromissos enfatiza a reciclagem de plástico e geralmente visa plásticos em geral”, escrevem os autores, liderados por Zoie Taylor Diana, pesquisadora ambiental do Duke University Marine Laboratory. “São soluções importantes, mas parciais, se quisermos abordar de forma abrangente o problema da poluição plástica.”

“Entre 1950 e 2017, a produção de plástico aumentou 174 vezes e deve dobrar novamente até 2040”, escrevem os autores. “A partir de 2015, cerca de 79% dos resíduos plásticos globais foram para aterros ou acabaram no ambiente natural, 12% foram incinerados e 9% foram reciclados. Os plásticos no meio ambiente têm repercussões negativas em todos os níveis da organização biológica”.

O documento destaca o foco esmagador das empresas em mudar seus padrões de consumo e produção, muitas vezes incluindo mais conteúdo reciclado em seus produtos e “leveza” – a prática de reduzir marginalmente o volume de plástico usado para embalar um determinado produto.

“Em nossa revisão de literatura, descobrimos que várias empresas, como a Coca-Cola Company e o Walmart, estão produzindo produtos de plástico menores e mais leves (por exemplo, garrafas e sacolas)”, escrevem os autores. “Essa ‘leveza’ do plástico é considerada uma resposta insuficiente porque as empresas podem reinvestir essa economia em mercados que envolvam novos produtos plásticos e/ou aumentem a massa total de plástico produzido.” Como o número de produtos plásticos aumenta a cada ano, o uso dessa prática não resulta em redução líquida de plástico.

No futuro, os autores dizem que a comunidade científica deve continuar monitorando as práticas plásticas das grandes empresas e os efeitos que os plásticos estão causando no planeta. “Cientistas (incluindo cientistas naturais, da vida e sociais) têm um papel importante no monitoramento e definição de questões ambientais, o que pode ajudar a responsabilizar as empresas.”

colocar aqui a legenda

Referência:

One Earth, Diana et al. “Voluntary commitments made by the world’s largest companies focus on general plastic and recycling over other actions to address the plastics crisis”. Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Promessas corporativas de redução não se traduzem em menos uso de plástico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV