Bolsonaro busca manutenção do voto evangélico

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Deus dos desgraçados. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • A vida de Xi Jinping e as escolhas da China

    LER MAIS
  • Itália. Hospitais sem médicos: o governador da Calábria contrata 500 especialistas cubanos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Agosto 2022

 

Na corrida pela reeleição, o presidente Jair Messias Bolsonaro busca o apoio reforçado da grei evangélica. Só no mês de julho, mostra reportagem da repórter Mariama Correira, da Agência Publica, o candidato dedicou 40% da agenda para participação em eventos evangélicos ou encontro de pastores.

 

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

 

Dos 25 dias de programações oficiais divulgadas pelo Palácio do Planalto, Bolsonaro separou dez dias para reuniões com pastores, participação em cultos e Marchas para Jesus nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Ceará e Espírito Santo, quando recorreu a temas que mobilizam o eleitorado conservador, como aborto, família e drogas.

 

No dia 9 de julho, ele participou da Marcha para Jesus em Uberlândia e em São Paulo. Na capital paulista, o presidente disse que “ora para o povo não experimentar as dores do socialismo”, o velho discurso que se abate sobre o Brasil desde o século passado. Nos seus pronunciamentos ele recorreu a referências bíblicas e construiu a “guerra do bem contra o mal” na política brasileira.

 

Embora já tenha afirmado sua inapetência para o cargo, o presidente disse, na Marcha para Jesus pela Liberdade, em Natal, que “é missão de Deus a presidência”.

 

No mês de junho, o presidente reservou sete compromissos focados no segmento evangélico. Nos dias 17 e 18 ele esteve na região Norte do país. Em Belém, participou dos 111 anos da Assembleia de Deus e do Congresso Visão Celular no Modelo dos 12, evento que atrai pastores do país.

 

Ainda em junho, esteve na Marcha para Jesus em Balneário Camboriú, Santa Catarina, e frequentou, enquanto nos Estados Unidos para a Cúpula das Américas, culto na Lagoinha Church, em Orlando, liderada pelo pastor André Valadão. Na ocasião, pronunciou-se: “Defendemos a família, a propriedade privada, a liberdade de armamento. Somos pessoas normais. Podemos viver até sem oxigênio, mas jamais sem liberdade”.

 

Em maio, levantou Correia, foram quatro dias com agendas oficiais: duas Marchas para Jesus, em Curitiba e Manaus, um encontro com lideranças evangélicas na capital amazonense, e um encontro com lideranças católicas no Palácio do Planalto.

 

O segmento evangélico, que representa 25% do eleitorado brasileiro, é um eleitor que ainda tem mostrado fidelidade a Bolsonaro. Nesse segmento, ele conta com 43% das intenções de voto, contra 33% dedicados a Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bolsonaro busca manutenção do voto evangélico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV