ONU celebra hoje o Dia Internacional Nelson Mandela

Mais Lidos

  • Especialização em Protagonismo Feminino na Igreja: experiência de sororidade e crescimento humano integral

    LER MAIS
  • Católicos versus Evangélicos no Brasil: “guerra de posição” x “guerra de movimento”. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS
  • No meio do caminho estava o CIMI: 50 anos do documento-denúncia “Y-Juca-Pirama” e a atuação do Pe. Antônio Iasi Jr, SJ

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Julho 2022

 

As Nações Unidas celebram hoje o Dia Internacional de Nelson Mandela, um dia para lembrar o líder sul-africano que lutou e derrotou o apartheid.

 

  • Para Guterres, Mandela é um exemplo que nos inspira a melhorar o mundo. Um aspecto central de sua batalha civil foi o perdão, questão que o coloca em particular harmonia com o ensinamento do Papa Francisco
  • O que permitiu a Mandela suportar a prisão por quase trinta anos de sua vida e depois ser aquele pacificador que todos admiravam e continuam a admirar? O perdão


A reportagem é de Alessandro Gisotti, publicada por Religión Digital, 18-07-2022.


“A única maneira permitida de menosprezar alguém é quando você estende a mão para ajudá-lo a se levantar”. Esta frase, repetida muitas vezes pelo Papa Francisco, descreve com especial eficácia o que foi testemunhado por um grande homem do nosso tempo, cujo Dia Internacional das Nações Unidas celebra hoje - no dia do seu nascimento: Nelson Mandela.


Em sua batalha civil não violenta, em seu compromisso de ser um “sonhador que nunca desistiu”, como gostava de se descrever, Mandela demonstrou justamente que ninguém é superior aos outros porque todos temos a mesma dignidade . E justamente por isso, nas palavras de Jorge Mario Bergoglio, "ninguém se salva sozinho".

 

Para o líder sul-africano, que passou 27 anos na prisão por suas ideias de justiça e igualdade, a dominação dos brancos sobre os negros não era aceitável, mas também não era o contrário. Por isso, quando finalmente voltou a ser homem livre em 11 de fevereiro de 1990 e, alguns anos depois, foi eleito presidente de seu país, rejeitou radicalmente qualquer tentação de vingança por parte dos negros.e, em vez disso, embarcou em um corajoso processo de reconciliação e cura das feridas profundas que o apartheid infligiu ao povo sul-africano. Este compromisso valeu-lhe o Prêmio Nobel da Paz e continua a ser, nove anos após a sua morte, uma das figuras mais inspiradoras para as novas gerações.

 

Como destacou o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, em mensagem por ocasião do Nelson Mandela Day deste ano, o líder sul-africano “mostrou que cada um de nós tem a capacidade – e a responsabilidade – de construir um futuro melhor para todos” . Para todos. Não apenas para um lado. Porque, como nos lembra uma de suas declarações mais citadas, “é fácil derrubar e destruir”. Os verdadeiros heróis são aqueles que fazem a paz e constroem.” Mas o que permitiu a Mandela suportar a prisão por quase trinta anos de sua vida e depois ser aquele pacificador que todos admiravam e continuam a admirar?

 

Nelson Mandela (Foto: International Labour Organization ILO | Flickr - cc)

 

Certamente, Madiba, como era chamado em sua tribo natal, não perdoou seus algozes sem esforço, não foi uma conquista "barata". Ele mesmo confessou que, nos primeiros momentos após sua saída da prisão, a raiva era o sentimento predominante nele. Mas foi nesse momento chave da sua vida (e da história da África do Sul) que, contou, ouviu esta advertência do Senhor: "Nelson, enquanto estavas na prisão estavas livre; agora que estás livre, não torna-te seu prisioneiro". Assim, Mandela decidiu não ficar preso ao passado, abrir mão do rancor. Ele estava ciente, como declarou mais tarde, que "o perdão liberta a alma, remove o medo". É por isso que o perdão é uma arma poderosa".

 

Quem sabe o que Mandela diria hoje sobre a declaração do Papa Francisco de que o perdão deve ser considerado “um direito humano, porque todos temos o direito de ser perdoados”.

 

Sua filha Makaziwe já nos deu uma indicação disso em  uma entrevista à mídia do Vaticano em dezembro passado. A uma pergunta nossa sobre qual foi o maior ensinamento que recebeu de seu pai, ele respondeu: "Que ninguém nasce odiando o outro pela cor de sua pele, sua cultura ou sua fé religiosa. Somos ensinados a odiar, e se somos ensinados a odiar, também podemos ser ensinados a amar, porque o amor é algo natural no espírito humano".

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

ONU celebra hoje o Dia Internacional Nelson Mandela - Instituto Humanitas Unisinos - IHU