Uma forma de amar

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Arquidiocese italiana permite que católico transgênero seja crismado sob novo nome

    LER MAIS
  • O novo humanismo do Papa Francisco: ser pessoas normais, concretas, simples, com o pé no chão

    LER MAIS
  • A força transformadora da escuta hospitaleira e convivial

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Mai 2022

 

A leitura que a Igreja propõe para este domingo é o Evangelho de Jesus Cristo segundo João, 13,31-33 a 34-35, que corresponde ao 5° domingo de Páscoa, ciclo C, de Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto.

 

Eis o texto.

 

Os cristãos começaram a sua expansão numa sociedade em que havia diferentes termos para expressar o que hoje chamamos amor. A palavra mais usada era filia, que designava o afeto para uma pessoa próxima e era usada para falar da amizade, carinho ou o amor aos parentes e amigos. Falava-se também de eros para designar a inclinação agradável, o amor apaixonado ou simplesmente o desejo orientado para aqueles que produzem em nós prazer e satisfação.

 

Os primeiros cristãos abandonaram praticamente esta terminologia e colocaram em circulação outra palavra quase desconhecida, ágape, a que deram um conteúdo novo e original. Não queriam que o amor inspirado por Jesus fosse confundido com qualquer coisa. Daí o seu interesse em formular bem o «mandamento novo do amor»: «Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei».

 

A forma de amar de Jesus é inconfundível. Não se aproxima das pessoas procurando o seu próprio interesse ou satisfação, a sua segurança ou bem-estar. Só pensa em fazer o bem, acolher, dar o melhor que tem, oferecer amizade, ajudar a viver. Assim o recordarão anos mais tarde nas primeiras comunidades cristãs: «Passou toda a sua vida a fazer o bem».

 

É por isso que o seu amor tem um caráter serviçal. Jesus coloca-se ao serviço daqueles que mais podem necessitar dele. Abre espaço no seu coração e na sua vida para aqueles que não têm lugar na sociedade nem na preocupação das pessoas. Defende os fracos e os pequenos, os que não têm poder para se defender a si próprios, os que não são grandes ou importantes. Aproxima-se daqueles que estão sozinhos e indefesos, aqueles que não conhecem o amor ou a amizade de ninguém.

 

O habitual entre nós é amar aqueles que nos apreciam e realmente nos amam, ser afetuosos e atentos com os nossos familiares e amigos, e depois viver indiferente àqueles que sentimos como estranhos e alheios ao nosso pequeno mundo de interesses. No entanto, o que distingue o seguidor de Jesus não é um «amor» qualquer, mas precisamente essa forma de amor que consiste em nos aproximarmos daqueles que podem necessitar de nós. Não o deveríamos esquecer.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma forma de amar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV