EUA. Professores de universidade jesuíta assinam carta contra projetos de lei que proíbe ensino sobre raça, gênero, classe e sexualidade

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Março 2022

 

Sessenta e quatro membros do corpo docente da St. Louis University, uma escola jesuíta no Missouri, assinaram uma carta à Câmara dos Deputados do estado se opondo à legislação que tenta proibir ensinamentos sobre raça, gênero, classe e sexualidade nas escolas públicas. A carta se opõe a projetos de lei como o HB 1474 e o HB 1995, que, respectivamente, baniriam o ensino da teoria crítica da raça e dariam aos pais um aviso com duas semanas de antecedência sobre quando assuntos "controversos " como raça e etnia serão ensinados.

 

A reportagem é de Melissa Cedillo, publicada por National Catholic Reporter, 14-03-2022.

 

A carta foi encabeçada pelo historiador Charles Parker e assinada por professores de vários departamentos da Universidade de St. Louis, incluindo ciência política, filosofia, inglês e estudos femininos. Os membros do corpo docente afirmam que esses projetos de lei "reduzem assuntos históricos complexos a slogans rasos, cristalizados como a implementação da Teoria Racial Crítica e do Projeto 1619, e lançam limites vagos à investigação histórica apropriada", segundo a carta.

A carta acrescenta que é imperativo que os jovens estejam em espaços acadêmicos que lhes permitam aprender mais profundamente sobre "a influência generalizada do comércio de escravos, escravização, Guerra Civil, leis Jim Crow, segregação, linchamento, redlining e outras formas de opressão racial”.

O Missouri é um dos últimos estados a tentar aprovar uma legislação para limitar o que é ensinado nas salas de aula dos EUA. Políticas semelhantes foram propostas em Wyoming, Oklahoma, Tennessee e Flórida, incluindo o fim do financiamento dos departamentos de estudos de gênero das universidades e a proibição de livros que falam sobre sexualidade e etnia. Em 2021, mais de 100 projetos de lei antitransgêneros foram apresentados em 33 estados, e mais de 40 estados apresentaram projetos de lei ou medidas destinadas a banir a teoria racial crítica.

Se aprovada, a legislação do Missouri limitaria a forma como a história é ensinada na sala de aula e permitiria que os pais atrasassem o currículo e até processassem a escola por assuntos que são ensinados. Ambos os projetos de lei usam a linguagem de "consentimento dos pais" ou "declaração de direitos dos pais". Tobias Winright, professor de ética em saúde e ética teológica e um dos signatários, disse ao NCR que se sentiu compelido a participar dessa ação "como teólogo católico, porque a verdade e a justiça são valores essenciais em nossa tradição moral".

"O autoexame e a confissão são práticas importantes. A história seletiva apenas exacerba o autoengano e a negação, e corrói o bem comum de todos. Finalmente, uma de minhas filhas frequenta uma escola pública aqui em St. Louis, então assinei como um pai preocupado", acrescentou.

Outros signatários incluíram membros do corpo docente Ellen Carnaghan, Rubén Rosario Rodríguez, Devita Stallings, jesuíta Pe. Michael Barber e Silvana Siddali.

JS Onésimo Sándoval, professor associado de sociologia e antropologia, acredita que esses esforços legislativos estão ocorrendo porque os Estados Unidos estão mudando demograficamente, o que afeta todos os aspectos de nossa sociedade. Para muitos, essa mudança leva a uma espécie de "ansiedade demográfica", disse Sándoval ao NCR.

Sándoval disse que um de seus objetivos como educador é preparar os alunos para essas mudanças demográficas, ajudando jovens mulheres e homens a formar e defender construtivamente suas próprias ideias quando saem da universidade.

"Um dos privilégios de uma educação em uma universidade é a capacidade de articular ideias em público", disse ele. "E se dissermos que esses são os únicos tópicos que você pode discutir, as pessoas vão se autocensurar."

Ele acredita que as universidades católicas devem perguntar o que significa ser espaços críticos, intelectuais, preparando jovens mulheres e homens comprometidos com a responsabilidade do bem comum. Se tais políticas forem implementadas, os estudantes serão os únicos a sofrer, disse ele.

"Meu medo é que vamos perder com o governo chegando e dizendo que essas são coisas que você pode e não pode discutir", disse Sándoval ao NCR.

Aric Hamilton, um estudante júnior de história, estudos americanos e educação, é o novo presidente do governo estudantil da Universidade de St. Louis. Como parte de seu trabalho no governo estudantil, ele lida com questões de diversidade e inclusão. Ele disse ao NCR que agradece que os professores de sua universidade tenham assinado a carta condenando a legislação contra a teoria crítica da raça e os estudos queer.

“Isso se alinha com nossa missão, quando falamos sobre o propósito maior e o bem maior, e quando falamos sobre os princípios do ensino superior – liberdade de expressão e curiosidade intelectual”, disse Hamilton.

Ele acrescentou que, tanto no nível estadual quanto no universitário, há uma batalha pela "liberdade e flexibilidade para ensinar uma perspectiva crítica, reflexiva e aberta sobre a história do município e do mundo".

A carta aos legisladores do Missouri enfatizou a necessidade de ensinar os alunos a "ter a coragem de examinar minuciosamente nosso passado, dizer a verdade sobre ele e avançar com maior justiça e liberdade para todos os nossos cidadãos e povos do mundo".

Joya Uraizee, professora de inglês da Universidade de St. Louis, disse ao NCR: "Os alunos devem receber todas as ferramentas que lhes permitam ter sucesso, e impedi-los de aprender certos aspectos de nossa própria história não é uma boa receita para o sucesso".

Ela disse que as tentativas de proibir o ensino histórico não são exclusivas dos Estados Unidos. Uraizee viu esforços semelhantes ao longo de sua pesquisa, que se concentra em genocídio, literatura pós-colonial, trauma e narrativas de refugiados africanos.

"Seu trabalho como instrutora é conscientizar os alunos de que existem outros pontos de vista", acrescentou.

Para Hamilton, que espera trabalhar na interseção entre educação e história após a formatura, as universidades jesuítas têm um papel a desempenhar na oposição à legislação discriminatória.

"Os jesuítas nos dizem para nos aprofundarmos nessas questões e usarmos os princípios do diálogo e os exercícios espirituais que são críticos para a tradição que mantemos", explicou.

As universidades jesuítas devem “não se esquivar da controvérsia, mas se apoiar nela e manter a causa social pela qual somos muito apaixonados, que está a serviço daqueles que estão à margem de nossa sociedade”, acrescentou.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA. Professores de universidade jesuíta assinam carta contra projetos de lei que proíbe ensino sobre raça, gênero, classe e sexualidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU