Invasão de terras públicas foi a principal causa de desmatamento na Amazônia no último ano

Mais Lidos

  • A hierarquia se opõe à abertura aos fiéis LGBT, mas o Espírito sopra onde quer

    LER MAIS
  • O que é e como opera o negacionismo? Entrevista com Donatella Di Cesare

    LER MAIS
  • Racismo anti-indígena e a nova faceta do agrogolpe: o pacto narcísico da branquitude ‘aliada’

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

24 Novembro 2021

 

Invasão de terras públicas foi a principal causa do desmatamento na Amazônia – Florestas não destinadas, que por lei deveriam ser dedicadas à proteção ou ao uso sustentável, são alvos constantes de grilagem.

 

A reportagem foi publicada por Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), 22-11-2021.

 

A invasão de terras públicas foi a principal causa de desmatamento na Amazônia no último ano. Análise do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) sobre os dados divulgados na semana passada mostra que 28% dos 13,2 mil quilômetros quadrados derrubados entre agosto de 2020 e julho de 2021 se deram em florestas públicas não destinadas.

Essa foi a categoria fundiária que mais concentrou desmatamento na região, acima de imóveis rurais (26%) e assentamentos (23%). As florestas públicas não destinadas são áreas na Amazônia que, por lei, deveriam ser dedicadas à proteção ou ao uso sustentável, mas que até hoje não tiveram destinação específica – por isso, são alvo constante de grilagem.

Somando com outras glebas públicas e áreas protegidas, o índice chega a 45%. “O desmatamento nas florestas públicas cresceu muito nos últimos anos. O governo sabe e é sua responsabilidade fiscalizar essas áreas”, explica o diretor-executivo do IPAM, André Guimarães.

Amazônia está no centro do debate global sobre mudanças climáticas e sobre o desenvolvimento do Brasil para as próximas décadas. Estoca carbono equivalente a dez anos de emissões globais, é fonte de água para o agronegócio e para a geração de energia hidrelétrica; preservada, ajuda a controlar o efeito estufa. Nada disso parece ecoar atualmente em Brasília, que tem escolhido caminhos equivocados, caros e ineficientes para lidar com o desmatamento.

Desde o início do governo Bolsonaro, a taxa de desmatamento anual da Amazônia só cresceu: 10,1 mil km2 em 2019 e 10,8 mil km2 em 2020. A taxa agora anunciada é a maior dos últimos 15 anos.

“Como os países que foram para a COP26 podem acreditar quando o Brasil fala que vai acabar com o desmatamento ilegal em 2028? Barreiras não-tarifárias, como desmatamento e sua contribuição para as mudanças climáticas, são uma realidade no comércio internacional, e nosso país corre um sério risco de ver mercados se fecharem a nossos produtos”, afirma Guimarães.

“O país sabe como reduzir o desmatamento; já fez isso antes e pode fazer de novo. É necessário planejamento e ações estruturantes. A partir do momento que o atual governo escolhe ignorar consistentemente as lições do passado e insistir em caminhos que têm efeito contrário, trata-se de irresponsabilidade.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Invasão de terras públicas foi a principal causa de desmatamento na Amazônia no último ano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU