As grandes questões que a Igreja de Francisco ainda não viu. Artigo de Ernesto Galli Della Loggia

Foto: Pixabay

05 Janeiro 2021

"Diante da gigantesca fratura histórica atual – que hoje se manifesta com toda a sua extraordinária amplitude, mas que no último meio século não deixou de solicitar as elevadas e atormentadas reflexões do magistério, do Papa Montini ao Papa Ratzinger –, parece verdadeiramente singular o silêncio não só do atual pontífice, mas também do conjunto da hierarquia".

 

A opinião é de Ernesto Galli Della Loggia, historiador, jornalista italiano e professor do Instituto Italiano de Ciências Humanas de Florença (SUM), em artigo publicado por Corriere della Sera, 29-12-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Eis o artigo.

 

É uma opinião generalizada que o atual pontificado seria caracterizado por uma abordagem ousadamente inovadora, até revolucionária, afirma-se. Seja por causa de uma pastoral totalmente dirigida às grandes questões mundiais da ecologia e da justiça econômica entre as nações, seja por causa de uma extraordinária e quase indiscriminada abertura às diversidades culturais, ao diálogo entre as fés, à “caridade”.

Porém, é singular que, a essa projeção do pontificado ao mundo e ao ativismo incansável do qual ela se alimenta, no entanto, correspondam um silêncio e uma falta quase absoluta de reflexão e de iniciativas sobre a condição geral que o próprio mundo reserva hoje à fé cristã e à própria Igreja. Uma condição de crise gravíssima.

Em todo o hemisfério setentrional do planeta, o cristianismo parece conhecer, de fato, um declínio tal que leva a pensar que ele está até a ponto de morrer. Uma demonstração disso é o simples olhar sobre a quantidade de edifícios religiosos que fecharam as suas portas em todos os países europeus. Especialmente as igrejas, transformadas em grande número em supermercados, salões de bingo ou centros comerciais.

Mas dois fatos decisivos indicam isso de uma forma ainda mais significativa. Acima de tudo, o desaparecimento de todos os resíduos daquela que era antigamente a cristandade entendida como um fato público, isto é, como uma conexão entre instituições religiosas e instituições políticas que, durante séculos, caracterizou todos os regimes europeus, ainda substancialmente segundo o modelo do Império Romano.

Em segundo lugar, o fato de que quase já não resta nenhum vestígio daquele “compromisso cristão-burguês” que se instaurou após a Revolução Francesa que até algumas décadas atrás era típico de todas as classes dominantes euro-ocidentais. Um compromisso em virtude do qual, embora laicizando-se e modernizando-se, elas permaneceram ligadas de alguma forma à antiga fé. Há muito tempo, porém, nos seus modelos de vida, na educação dos filhos, na sua autoconsciência, nos seus valores públicos, as elites das sociedades desenvolvidas pareceram virtualmente descristianizadas. E, inevitavelmente, o resto da sociedade segue o seu exemplo.

Agora, diante dessa gigantesca fratura histórica – que hoje se manifesta com toda a sua extraordinária amplitude, mas que no último meio século não deixou de solicitar as elevadas e atormentadas reflexões do magistério, do Papa Montini ao Papa Ratzinger –, parece verdadeiramente singular o silêncio não só do atual pontífice, mas também do conjunto da hierarquia.

A atenção e a iniciativa de um e da outra não parecem atraídas nem por outras duas questões de enorme porte que já chegaram dramaticamente ao seu ápice. A ponto, parece-me, de obrigar a Igreja a pôr em discussão, de fato, toda a sua história identitária, a reformular os seus resultados de forma radical.

A primeira dessas questões é a da democracia. É verdade, naturalmente, que a Igreja não pode ser uma democracia, porque Deus não pode ser posto em votação. A democracia, porém, não é apenas uma questão de votos. É também – ou, melhor, sobretudo – uma questão de direitos. Acima de tudo daqueles direitos da pessoa em cuja origem está o cristianismo e sobre os quais, há décadas, não por acaso, o próprio magistério da Igreja insiste em todas as ocasiões.

Mas então a pergunta óbvia que se levanta é a seguinte: como pode ser compatível com a tutela de tais direitos da pessoa o tipo de poder que o papa exerce sobre o seu Estado e sobre a instituição eclesiástica – um poder absoluto e incontrolado, arbitrário no mais verdadeiro sentido da palavra? Quão compatível, por exemplo, é o direito de cada pessoa de conhecer as acusações que são movidas contra ela, de conhecer os seus motivos, de ter um justo processo por parte de juízes independentes, com o destino reservado ao cardeal Becciu, o qual, despojado pelo papa de algumas importantes prerrogativas ligadas ao seu cargo sem nada saber dos motivos, teoricamente espera a justiça – note-se o paradoxo – de juízes nomeados e revogáveis ad nutum pelo próprio papa? Como se pode pedir ao mundo para ser justo, pergunto-me, se, na própria casa, as regras da justiça são essas?

E, por outro lado, o fato de nessa casa haver um verdadeiro problema de democracia não seria testemunhado, talvez, também pelo fato de que, ainda hoje, depois de um episódio como o que acabamos de mencionar (mas também de milhares de outros), ninguém se atreve a dizer nada publicamente? A levantar alguma dúvida? A pedir – Deus me livre – alguma explicação? Ou a obrigação democrática à transparência, tantas vezes invocada, vale apenas para os outros?

Não se trata apenas disso. Até agora, de fato, o caráter eletivo do cargo tem servido de contrapeso à natureza autocrática do poder papal. Incontrolavelmente eletivo, deve-se acrescentar: graças ao qual, portanto, era muito possível que um papa de uma certa orientação (como, de fato, quase sempre aconteceu) fosse sucedido por um papa de uma orientação completamente diferente.

Agora, em vez disso, com a nomeação por parte do atual pontífice de um número cada vez maior de cardeais, em tudo e por tudo homogêneos a ele, existe a ameaça de nascer, de fato, na cúpula da instituição um verdadeiro “partido do papa”, detentor da maioria no conclave. Graças ao qual o próprio papa reinante, por isso, tem a possibilidade de escolher o seu sucessor ou, pelo menos, influenciar de forma decisiva a sua eleição. Determinando, assim, a passagem de uma autocracia de titularidade incontrolada a uma autocracia de titularidade designada.

Enfim, ao problema da democracia, conecta-se diretamente também a segunda das grandes questões que chegaram ao seu ápice e que hoje interrogam a Igreja e a sua história: a questão do papel das mulheres dentro da instituição eclesiástica. Ou, para dizer de uma forma melhor, a questão da sua absoluta e contínua exclusão de qualquer papel significativo.

Não estou me referindo ao sacerdócio feminino. Refiro-me ao poder, aos cargos – sei lá – de presidente do IOR, de governador do Estado, de núncio ou de secretário de Estado: que, para o meu conhecimento, nenhuma passagem dos Evangelhos prescreve que devem ser confiados a homens e não a mulheres. Mas que, pelo contrário, a Igreja continua empedernida a acreditar que é um exclusivo monopólio masculino.

Eu me pergunto como uma instituição que se move desse jeito no mundo de hoje pode imaginar que tem algum futuro. Isto é, mostrando uma falta de senso histórico que lembra tristemente a vã batalha que a própria Igreja Católica travou por mais de um século contra os princípios liberais. Acima de tudo – mais uma vez, como então – desmentindo desse modo a inspiração mais luminosa da sua própria história e o testemunho mais extraordinário do seu próprio fundador.

Mas, se é assim, então é bastante incompreensível para mim como o Papa Francisco pode ser definido como inovador, progressista ou até revolucionário. Ele exerce o seu poder do modo como eu disse e, acerca de todas as questões e os problemas até aqui enumerados, ele está evidentemente convencido de que eles não existem ou, no mínimo, que não merecem a sua atenção.

Na minha opinião, eu tenho a suspeita de que o caminho dele não leva muito longe.

Leia mais

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV